Rafaela Bidarra subscreveu a ILC

Pangur BanRafaela Bidarra nasceu em Lisboa, em 1985.

Inicia o seu percurso teatral em Setúbal com a companhia Teatro Estúdio Fontenova em 2004. Integrou o elenco de “O Crime do Século XXI”, de Edward Bond, “Se isto fosse uma Ópera seria de Três Cêntimos”, adaptação da “Ópera de Três Vinténs”, de Bertold Brecht e “Albérico Ponto Final”, de Ângelo Fernandes, todos com encenação de José Maria Dias, até 2006.

Em 2005 inicia os estudos em Ciências Farmacêuticas na Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra, mudando depois para o curso de Enfermagem em 2008 na Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, terminando a licenciatura em Dezembro de 2013.

Em 2007 integra o TEUC – Teatro dos Estudantes da Universidade de Coimbra, através do Curso Bienal de Teatro composto por formação em áreas distintas que culminou na apresentação do espectáculo “O Sonho”, de August Strindberg, com encenação de Pedro Matos. Integra o elenco do TEUC em “Oresteia – Fragmentos de Agamemnón e Coéforas”, de Ésquilo, com encenação de Rogério de Carvalho, “Batata Parapata”, de Caroline Stampone numa criação colectiva do TEUC, “Auto da Barca do Inferno”, de Gil Vicente, encenado por Ricardo Correia, “Deus, uma peça” de Woody Allen, com encenação de Ricardo Vaz Trindade, “Um Dia de Raiva”, encenação de Nuno Pino Custódio, “projectoH” uma co-criação TEUC e Joana Providência com direcção artística de Joana Providência e “Vitral” uma co-produção TEUC e ProjectoD, dirigido por Leonor Barata. Actualmente faz parte da direcção, como Presidente do TEUC. Foi também no TEUC que realizou a sua primeira performance a solo, no Teatro Académico de Gil Vicente: “A Morte de Empédocles”, de Holderlin. No TEUC participou em diversos workshops — com Miguel Seabra (Clown), Jorge Ribeiro (Luminotecnia), João Brites, n’O Bando (Estágio de Formação “Dilatação Tempo Presença”), Nuno Pino Custódio (Técnica da Máscara Neutra e Commedia dell’Arte), Andrés Bézares (Clown), e Joana Providência (Dança Contemporânea).

Desde 2009 tem investido na sua formação artística fora do âmbito do Teatro Universitário, participando em diversos workshops: “Pantomima” com Yurek Klonowski, no Teatro dos Castelos em Montemor, “Dança Contemporânea” com Joana Providência, n’A Escola da Noite em Coimbra, “Dance Impossible” com Peter Michael Dietz, na Circolando, Porto, “Butoh” com Anita Saij, na Nordic School of Butoh, em Bornholm na Dinamarca, “O actor enquanto criador” com Nuno Pino Custódio, na ESTE, Fundão, “Butoh” com Moeno Wakamatso e Masaki Iwana, em 2012 e 2013, na Maison Du Butoh Blanc em Le Reveillon, Sul da Normândia, França – culminando no Festival de Butoh, onde apresentou um solo da sua autoria, “Prisonnier des Songes”, “Butoh” com Yoko Kaseki, n’A Escola da Noite em Coimbra.

Em 2010 trabalhou com duas companhias profissionais da cidade de Coimbra — na Marionet, no espectáculo “BCC- Blind Carbon Copy”, encenado por Mário Montenegro e apresentado no Teatro da Cerca de São Bernardo, e n’A Escola da Noite, no espectáculo “Teatro Menor”, com textos de José Sanchis Sinisterra e encenação de António Augusto Barros.

Rafaela Bidarra subscreveu a Iniciativa Legislativa de Cidadãos pela revogação da entrada em vigor do “acordo ortográfico”.

[Nota: esta publicação foi autorizada pela subscritora, que nos remeteu, expressamente para o efeito, as respectivas nota biográfica e fotografia.]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2014/01/19/rafaela-bidarra-subscreveu-a-ilc/

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.