FAQ

26. «O “acordo ortográfico” está em vigor e já não há nada a fazer quanto a isso.» Isto é verdade? Afinal para que serve esta ILC?

Não, não é verdade. De todo. É verdade que o AO90 está em vigor mas não é verdade que não haja nada a fazer quanto a isso. A nossa ILC, se aprovada no Parlamento, servirá precisamente para revogar a dita entrada em vigor do “acordo”. Não existe nenhuma lei que não possa ser alterada, anulada ou revogada.

[Da página de perguntas frequentes (“FAQ”).]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2011/10/12/faq/

4 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Veja-se o que fez o Brasil com a Convenção Ortográfica Luso-Brasileira em 1945:
    «Permaneceu, portanto, uma situação de divergência entre as duas nações signatárias do acordo, já que o mesmo foi, num primeiro momento, adotado por Portugal (Decreto 35.228, de 08.12.1945) e pelo Brasil (Decreto-lei 8.286, de 05.12.1945), mas posteriormente rejeitado por este (Decreto-lei 2.623, de 21.10.1955). in REFORMA ORTOGRÁFICA E NACIONALISMO LINGÜÍSTICO NO BRASIL, por Maurício Silva (USP)»
    E veja-se também o que fez o Brasil com a Reforma Ortográfica portuguesa de 1911:
    «Curiosamente, a despeito das inúmeras críticas que a reforma portuguesa recebera no Brasil, sua aceitação acabou sendo até maior do que aquela anteriormente realizada pelos acadêmicos brasileiros, pelo menos nos primeiros anos subseqüentes à mesma: em 1915, por exemplo, a própria Academia Brasileira de Letras acabaria aceitando um parecer de Silva Ramos (julho) que tornava oficial o sistema ortográfico lusitano, eliminando todas as divergências ortográficas entre Brasil e Portugal (novembro), apesar de que quatro anos depois (1919), a mesma academia voltaria atrás, renegando a proposta de Silva Ramos e abolindo a resolução de 1915. O amor-próprio e o sentimento nacional brasileiros parecem ter, no final das contas, prevalecido. in REFORMA ORTOGRÁFICA E NACIONALISMO LINGÜÍSTICO NO BRASIL, por Maurício Silva (USP)». CLARO QUE O AO PODE SER REVOGADO!

    • Hugo Seia on 12 Outubro, 2011 at 17:14
    • Responder

    É lamentável que se tomem decisões desta natureza sem ouvir todos os portugueses. O novo “acordo” – quem acordou com esta barbaridade? – nunca deveria entrar em vigor. Pena que neste País não haja quem defenda os valores que ainda nos restam!

    • Fernando Barroso on 12 Outubro, 2011 at 17:24
    • Responder

    O AO90 tem que ser revogado. A sujeição da nossa língua à de outro País é incompreensível.

    • Alves Pereira on 12 Outubro, 2011 at 17:37
    • Responder

    quem acordou esta barbárie? gente com coluna vertebral der gelatina intelectual, pois então…

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.