«O símbolo da ILC-AO» [“O Comércio de Alcântara”, 17.12.14]

comercioAlcantara122014

O Comércio de Alcântara

O jornal “O Comércio de Alcântara” publica na sua capa, desde Janeiro de 2012, o símbolo do ILCAO, que motivou a vossa manifestação de apreço.

Entende o corpo editorial e redactorial da nossa publicação que a língua, quer na sua forma falada, quer na sua forma escrita pertence ao povo e não é passível de ser legislada.

Dinâmica, como língua viva que é, o português deverá evoluir através dos tempos, de forma livre, popular, espontânea, livre das grilhetas do Direito e de legisladores bacocos.

Assim, entende-se que as diversas formas de português existentes deverão evoluir de forma livre, ao sabor do tempo e das tendências, divergindo mais tarde para línguas autónomas, como no passado o galego se separou do português, ou convergindo para uma unidade mais uniforme, se for caso disso.

A Direcção do jornal “O Comércio de Alcântara” sente-se surpreendida mas lisonjeada por esta “onda” de gratidão e reconhecimento, agradecendo desde já esta manifestação de que foi alvo.

O corpo redactorial
Luís Sampaio Howell
Carlos Lelo Filipe
Mafalda Vicente Santos
José Fernandes

[Transcrição de texto publicado pelo jornal “O Comércio de Alcântara” na sua página Facebook em 17.12.14.]

[Via grupo Facebook “Professores contra o acordo ortográfico“.]

 

Ver primeiro “post” sobre este jornal publicado aqui, no “site” da ILC-AO, em 6 de Agosto de 2012.

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2014/12/17/o-simbolo-da-ilc-ao-o-comercio-de-alcantara-17-12-14/

1 comentário

    • Maria José Abranches on 17 Dezembro, 2014 at 15:50
    • Responder

    Parabéns e muito obrigada! É sempre uma alegria constatar que nem todos os que vivem pela palavra se deixaram servilmente seduzir pela ‘evolução da língua’ (!!!), inventada e formalizada, sem respeito pela própria língua nem pelos seus falantes, há mais de 24 anos, e agora imposta, cobarde e ditatorialmente, por legisladores, políticos e intelectuais “bacocos”, que ainda sonham com um novo império colonial!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.