«Vasco Graça Moura defende suspensão do AO90» [Rádio Renascença]

renascenca_logo2Vasco Graça Moura defende a suspensão do acordo ortográfico. É a reacção de uma das vozes mais críticas a esta medida, depois de o governo brasileiro ter anunciado o adiamento da aplicação obrigatória do acordo para Janeiro de 2016.

Em declarações à Renascença, o presidente do Centro Cultural de Belém defende a suspensão do acordo em Portugal e uma renegociação com os restantes países.

“O Brasil vai rever o acordo, portanto é completamente delirante nós ficarmos para trás. Agora vamos ter três grafias: a brasileira actual, a africana, porque Angola mantéma) e muito bem as regras ortográficas que estão em vigor e não as do acordo, e a portuguesa, que é uma coisa sem pés nem cabeça”, critica Vasco Graça Moura.

“Penso que vai ter de acontecer forçosamente a suspensão da resolução do conselho de ministros de 2009b) e que se volte a permitir a forma, negociando entretanto a revisão do acordoc) com os outros países”, defende.

As críticas reiteradas de Vasco Graça Moura ao acordo ortográfico no dia depois de o Governo brasileiro anunciou o adiamento da aplicação obrigatória da medida até Janeiro de 2016.

[Transcrição integral de notícia da Rádio Renascença, 29.12.12 (com áudio). “Links” adicionados por nós.]

a) Moçambique também não adoptou o AO90. Apenas foi aprovada em Junho passado, pelo Conselho de Ministros, uma proposta de ratificação.
b) Trata-se da RCM 8/2011. De 2011 e não de 2009, portanto, como certamente por lapso foi dito.
c) Nos termos da Convenção de Viena o texto de um Tratado internacional não pode ser alterado.

[Nota: este “post” foi apagado pelo “host” do domínio (WebHS), tendo sido depois recuperado/recomposto e republicado por nós. Qualquer comentário ao mesmo desapareceu também neste “apagão” inopinado, pelo qual não somos nem fomos responsáveis. De qualquer forma, mesmo sendo alheios ao sucedido, aqui ficam as nossas desculpas.]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2012/12/29/vasco-graca-moura-defende-suspensao-do-ao90-radio-renascenca/

2 comentários

    • Jaime Branco on 30 Dezembro, 2012 at 0:54
    • Responder

    Portugal, na mão de governação pusilânime, acatará sempre o mais forte, nunca o mais correcto. É assim em tudo, mas, de facto, neste momento é anedótico sermos o único país a pôr em prática quase generalizada esta aberração! Suspenda-se de imediato! Até as empresas de Informática andam parvas, estupidificaram. E explico porquê: tenho uma filha que vive, nesta altura, em Inglaterra. O teclado inglês não está preocupado, e bem, com teclados de outras línguas, e assim sendo, devido a cedilhas, alguma acentuação por nós utilizada, enfim, motivos que considerou importantes, comprou um teclado para a ortografia portuguesa sair perfeita. Resultado: o teclado já vem com o AO incorporado, isto é, de imediato corrige o que ela escreve, se não utilizar o AO. Exemplo: se ela escrever “óptimo” o teclado, de imediato, apaga o “p”, mudando para ótimo!!! Em reacção, passa logo a reação; passámos na faculdadee, apaga logo o acento no á, do p.p.simples e passa ao Presente: passamos!! Mas isto é admissível?? Que cobardia generalizada é esta?? Solicito uma ajuda de alguém que perceba e da possibilidade de ela poder escrever como lhe apetecer!
    Antecipo os meus agradecimentos.

    • Jorge Teixeira on 2 Janeiro, 2013 at 10:54
    • Responder

    O teclado não tem intervenção nenhuma nisso: é o corrector ortográfico que tem no seu PC que faz as substituições. Se for um corrector Microsoft, a solução é parametrizar o corrector ortográfico para usar “Português Pré-Reforma”.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.