Uma semana intensa

thumbnail_ilcaocomFaz hoje sete dias que anunciámos o regresso da ILC. Foi um momento histórico, que nos encheu a todos de esperança, uma esperança mais do que justificada.

Com uma alegria que há muito não sentíamos, trabalhámos imenso. O primeiro passo foi rever a nossa situação perante a Comissão Nacional de Protecção de Dados. Até aqui, sempre dissemos que os dados não eram tratados (e nunca o foram, de facto) — pois a partir de agora sê-lo-ão. O processo junto da CNPD está bem encaminhado, tendo em conta que nenhum dos dados a recolher é considerado “sensível” por aquela Comissão. Uma pequena equipa de militantes já está a postos para começar a introduzir informação numa base-de-dados, assim que o processo se complete. Normalmente, já teríamos tido luz verde por parte da Comissão mas o actual período de férias está a implicar atraso nas respostas da CNPD. Ainda assim, esperamos poder iniciar a empreitada dentro de poucos dias… logo que o processo de legalização estiver concluído.

Este será um trabalho insano mas imprescindível. Quando forem lançadas as subscrições online, essa base-de-dados será a única forma de impedir que quem já assinou a ILC em papel o faça de novo electronicamente, por distracção ou esquecimento.

A questão do formulário online tem sido outra frente de trabalho. Quando estiver a funcionar, essa página será o núcleo deste site. Estamos a trabalhar com militantes da ILC mais habilitados tecnicamente para a elaboração de um formulário electrónico seguro. Não sabemos ainda, ao certo, quais as regras de verificação que irão ser determinadas pela Comissão parlamentar mandatada para o efeito. Mas que não seja por isso… o pior que pode acontecer é implementarmos a priori rotinas de verificação em excesso. Ora, tratando-se de segurança dos dados, antes em excesso do que por defeito!

A reformulação deste site foi também uma prioridade: há uma semana o ilcao.com era um mero backup do ilcao.cedilha.net. Agora está já funcional, com a maior parte da sua composição estruturada de forma coerente. Neste capítulo, é de destacar a inclusão do novo impresso para subscrição em papel. Enquanto a subscrição via internet não estiver a funcionar esta continua a ser a única forma de subscrever a ILC. Pode encontrar o impresso no menu “a nossa ILC” ou simplesmente seguindo esta ligação. Muito há ainda por fazer, incluindo a actualização da página “FAQ” tendo em conta as novas regras das ILC. E, claro, a dita página de subscrição electrónica.

Tudo isto pode parecer coisa pouca, mas é muita coisa. E, mais importante do que o que se vê, é o que não se vê. As estatísticas das visitas ao site dispararam, tal como à página da ILC-AO no Facebook — o que é sempre um indicador da esperança que as pessoas depositam nesta iniciativa cívica. Na ILC que subscreveram, quem já o fez, na que irão subscrever, quem ainda não. E agora mais do que nunca! Porque se sente, hoje, que o sonho de levar a Iniciativa ao Parlamento está bem mais perto da realidade. Talvez aí o povo português acorde, de uma vez por todas, para essa outra realidade que é o estado caótico da nossa ortografia.

Vamos em frente que atrás vem gente.

meuselonAO1

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2016/07/31/uma-semana-intensa/

6 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Fernando Ferreira on 2 Agosto, 2016 at 12:11

    Bom-dia,
    Fiquei extremamente satisfeito por verificar que a ILC está de novo activa. Bem hajam!
    Se acaso tiver interesse, informo a minha modesta contribuição para esta causa e que, infelizmente, nada consegui.
    Em 23 de Junho de 2015, recebi da Dra. Maria Cristina Pimentel da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, um impresso para obter assinaturas com vista à realização de um referendo sobre o AO, o qual devolvi com as assinaturas que me foi possível obter. No entanto, como não foram conseguidas as assinaturas necessárias, a iniciativa acabou por não se concretizar.
    Sabendo que o Sr. Presidente da República não concordava com dito acordo, tomei a liberdade de lhe
    escrever, solicitando-lhe a sua intervenção no sentido de acabar com a confusão gerada pelo mesmo (carta de 15 de Junho p.p. de que ainda não recebi qualquer resposta).
    Apresento os meus cumprimentos.
    Fernando Ferreira

      • on 2 Agosto, 2016 at 22:18

      Caro Fernando Ferreira,
      bem haja pelo seu inconformismo. Acredito que pelo menos a carta para o Presidente da República, mesmo sem resposta, não terá caído em saco roto. A espontaneidade do seu gesto é bem a demonstração do quanto este Acordo nos incomoda a todos.
      Atenciosamente,
      Rui Valente

    • Fernando Coelho Kvistgaard on 2 Agosto, 2016 at 16:34

    Parabéns e congratulações por não terem desistido.

      • on 2 Agosto, 2016 at 22:12

      Muito obrigado, Fernando Coelho Kvistgaard.

    • Fernando Ferreira on 12 Agosto, 2016 at 17:39

    Boa-tarde,
    Só hoje tive oportunidade de aceder ao vosso “site”, Agradeço a vossa resposta.
    Quero comunicar-vos o seguinte: Sendo o famigerado AO de aplicação obrigatória, pelo menos para os Organismos do Estado, fiquei agradàvelmente surpreendido quando verifiquei no impresso do IRN – Instituto dos registos e do notariado (cartão de cidadão) as seguintes palavras, escritas como segue: acto eleitoral, autenticação electrónica, activado no momento…, documento electrónico, activação, respectivo código, efectivação, excepcionalmente, efectuar. No entanto, encontra-se a palavra eletrónica e mais à frente serviços da IRN (onde deveria estar do IRN.
    Os meus cumprimentos.
    Fernando Ferreira

      • on 13 Agosto, 2016 at 2:26

      Caro Fernando Ferreira,
      obrigados, nós, pelo seu contacto.
      No caso em apreço, a opção do IRN contribui para o cAOs vigente, como refere. E, por outro lado, nem sempre é fácil perceber onde acaba a simples inércia dos serviços administrativos e começa a resistência (mais ou menos encapotada) ao AO. Mas tudo é preferível à “adoção” pura e simples. É bom saber que no IRN o AO45, pelo menos, não é perseguido. Podia ter-lhes dado para arruinar impressos (centenas? milhares?) perfeitamente válidos…
      Cumprimentos,
      Rui Valente

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.