Um “esclarecimento” muito pouco ou nada claro

Nos últimos dias temos sido “metralhados” com uma saraivada de notícias sobre os avanços – mas nunca, até agora, sobre os recuos – da “reforma da reforma“, isto é, a respeito da formação no Congresso brasileiro de uma “comissão técnica” visando a “simplificação” do AO90. E não sabíamos até agora dos recuos, mas ficamos desde já a saber: o senador Cyro Miranda vem “esclarecer” oficialmente que as ditas notícias “não procedem”, “desmentindo” assim todas elas, a começar pelas difundidas pelo próprio Senado a que pertence, o mesmíssimo Senado onde publica o seu “esclarecimento”. Aliás, neste “esclarecimento” o senador consegue a extraordinária proeza de se desmentir a si próprio, vindo agora “esclarecer” rigorosamente o contrário de anteriores declarações suas à imprensa.

Afinal, diz agora o senador, o tal “grupo de trabalho” da Comissão de Educação, Cultura e Esporte (Desporto, em Português europeu) terá por finalidade não “propor a simplificação” da ortografia mas sim… “propor a unificação ortográfica da Língua Portuguesa, conforme Acordo já firmado em 1990.”

Espantoso. Novidades destas não apanhamos nós todos os dias. Mas ainda há mais “novidades estrondosas” neste estrondoso “esclarecimento” do senador Cyro Miranda.

Uma é que “a unificação em questão terá que ser feita em comum entendimento com os demais países”, o que significa que o AO90 afinal não unificou coisa nenhuma (outra espantosa novidade, obrigado, senhor senador) e que, portanto, agora é “necessário” um “grupo de trabalho” brasileiro propor a mesma coisa que o AO90 já propunha mas que no fim de contas não deu em nada.

Um bocadinho confuso, não, senhor senador?

governo_federal_do_brasil1Esclarecimento sobre Acordo Ortográfico
18/08/2014

Em resposta à demanda de professores de português, a Comissão de Educação, Cultura e Esporte aprovou, no dia 1º de outubro de 2013, a criação de um Grupo de Trabalho destinado a propor a unificação ortográfica da Língua Portuguesa, conforme Acordo já firmado em 1990.

Esse Acordo entraria em vigor no Brasil em 1º de janeiro de 2013, mas o início da vigência foi adiado para janeiro de 2016, por decreto da presidente Dilma Rousseff.

A unificação em questão terá que ser feita em comum entendimento com os demais países. Portanto, não há nada que senadores, a Comissão de Educação e até mesmo o Brasil possa fazer unilateralmente.

Recentes notícias de que estaríamos a ponto de reformular a ortografia da Língua Portuguesa não procedem.

Senador Cyro Miranda (PSDB-GO)

Presidente da Comissão de Educação, Cultura e Esporte

[Comunicado em “senado.gov.br” (“link” acrescentado)]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2014/08/21/um-esclarecimento-muito-pouco-ou-nada-claro/

1 comentário

  1. «Ideia circula em grupo de estudo do Senado. Embora negue proposta, senador defende revisão do acordo ortográfico que sequer entrou plenamente em vigor»

    “Veja”, 24.08.14

    http://veja.abril.com.br/noticia/educacao/eliminar-c-ch-ss-e-uma-grande-besteira-diz-linguista

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.