Nota de leonino apreço…

Res12_JornalSportingNa “segunda circular” continua a escrever-se correctamente. É um prazer assistir aos jogos na BenficaTV com a palavra “DIRECTO” bem visível no canto do ecrã. Mas o Sporting foi mais longe: com a realização do último Congresso Leonino, no passado fim-de-semana de 7 e 8 de Junho, esta posição tornou-se oficial. Como costuma dizer-se na casa, as coisas foram postas “verde no branco”. Como sportinguista, confesso-me particularmente satisfeito por poder partilhar aqui esta informação.

É gratificante saber que, de acordo com o regulamento do Congresso, era condição para a aprovação de quaisquer propostas a existência de uma maioria de três quatros dos delegados presentes. Tendo em conta que se trata do AO, esta proporção não deve ter sido problemática — é sabido que, à excepção dos governantes que nos querem impingir o AO à força, a grande maioria da população continua a não ver qualquer sentido na adopção de um conjunto de regras absurdas.

Benfiquistas, portistas, vimaranenses, “briosos”, setubalenses… de que é que estão à espera para seguirem este exemplo? É preciso dar uso ao velho ditado: desporto é cultura — e este é um daqueles casos em que a “clubite” não tem lugar.

Rui Valente

[imagem: reprodução da Resolução 12 conforme consta no Jornal do Sporting, edição de 12 de Junho]

[transcrição]
«Recomendação 12
ACORDO ORTOGRÁFICO
Propõe-se que, em toda a sua comunicação escrita, em papel, no sítio da internet ou no novo canal televisivo do Clube, o Sporting Clube de Portugal continue a usar a ortografia portuguesa seguindo aquilo que se denomina de antigo acordo ortográfico.
»
[/transcrição]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2014/06/21/nota-de-leonino-apreco/

5 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Maria José Abranches on 21 Junho, 2014 at 16:25
    • Responder

    Bravo! Aqui está uma decisão de que todos nós, portugueses, nos devemos orgulhar! Oxalá outros clubes optem também pela palavra “selecção”, como habitantes da Terra que são, rejeitando aquela ‘seleção’, que em Portugal só pode ler-se como “selenita” (habitante hipotético da Lua)!

    • Jorge Pacheco de Oliveira on 21 Junho, 2014 at 16:27
    • Responder

    É de louvar entusiasticamente a atitude tomada pelo Congresso Leonino.

    Aliás, é tão louvável a decisão sportinguista como rejeitável foi a decisão em sentido oposto tomada pela Ordem dos Engenheiros, de que fui membro durante 40 anos e da qual me desvinculei precisamente por terem adoptado, sem qualquer necessidade, o famigerado AO.

    • Maria José Abranches on 21 Junho, 2014 at 17:34
    • Responder

    Saúdo também a atitude do Eng.º Jorge Pacheco de Oliveira, ao desvincular-se da Ordem dos Engenheiros, por ser adepta do “famigerado AO”! Obrigada!

    E, porque me dói e particularmente me revolta e ofende a conivência dos Professores e dos seus sindicatos com esta política de destruição da nossa língua, permito-me recordar a carta, já aqui publicada, que enviei ao SPZS – FENPROF, a desvincular-me do sindicato, por essa mesma razão: http://ilcao.com/?p=5020#more-5020

    • Filipe Santana on 22 Junho, 2014 at 14:28
    • Responder

    Muito bem! É importante para a luta contra o novo AO que instituições de renome apliquem este tipo de medidas.

    • Jorge Pacheco de Oliveira on 22 Junho, 2014 at 14:37
    • Responder

    Agradeço a referência de Maria José Abranches. Confesso que me custou abandonar uma associação profissional a que pertenci durante tanto tempo, mas deixei de confiar numa direcção que tomou uma decisão que considerei desnecessária, idiota e imprópria do espírito de objectividade e independência que exijo a engenheiros.

    Aliás, é para mim surpreendente o facto de outras instituições adoptarem o AO quando se sabe que nem sequer existe uma imposição legal para o fazerem.

    O actual governo, que tanto constesta o Tribunal Constitucional por discordar dos respectivos acórdãos, não é capaz de suspender a aplicação de uma norma ortográfica que não tem força de lei ?

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.