Ana Bustorff subscreveu a ILC

Ana BustorffAna Bustorff (Miragaia, Porto, 1959) é uma actriz portuguesa de Teatro, Cinema e Televisão.

No final da década de 70 ingressou na Seiva Trupe, onde se forma como actriz.
Trabalhou com encenadores como Norberto Barroca, Mário Barradas, António Fonseca, Fernando Mora Ramos, Luís Varela, José Wallenstein, Miguel Guilherme, São José Lapa, Mónica Calle e Nuno Carinhas.

No cinema trabalhou com realizadores como Jorge Silva Melo (“Agosto”, 1987), Edgar Pêra (“Manual de Evasão”, 1994), Luís Galvão Telles (“Elles”, 1997), Joaquim Leitão (“Tentação”, 1997; “Inferno”, 1999), Leonel Vieira (“Zona J”, 1998), João Canijo (“Sapatos Pretos”, 1998), Marco Martins (“Alice”, 2005) e João Botelho (“O Fatalista”, 2005). Recebeu, por duas vezes, o Globo de Ouro para melhor actriz.

Ana Bustorff subscreveu a Iniciativa Legislativa de Cidadãos pela revogação da entrada em vigor do Acordo Ortográfico de 1990.

Este é mais um perfil publicado na “galeria” de subscritores, activistas e apoiantes da ILC pela revogação do “acordo ortográfico”.

Nota: esta publicação foi expressamente autorizada pela subscritora, que reviu connosco os elementos constantes nesta mini-biografia. Foto de Ana Bustorff © Manuel Correia.

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2012/06/15/ana-bustorff-subscreveu-a-ilc/

3 comentários

  1. Uma actriz que se quer actriz…
    Muto bem!
    Agradecido.

    • Pedro Marques on 15 Junho, 2012 at 23:54
    • Responder

    Uma actriz de facto e actor tem de conhecer e saber que a ortografia, a dicção, e tudo isso são coisas essenciais na representação!

    • Fernando Paulo Baptista on 3 Julho, 2012 at 19:56
    • Responder

    “Acordo Ortográfico /1990” — um documento “analfabético” e “grafemo-fágico”, potenciador da iliteracia cultural e científica…

    Qualifico de “analfabético” o texto do novo «Acordo Ortográfico / 1990”, no sentido literal e próprio do termo (do grego: an-alphá-betos, isto é, que não sabe nem «a» nem «b»).
    Na verdade, como é possível haver quem defenda um «acordo» que se diz «ortográfico» e que, na regulação e normalização da expressão «grafémica» dos textos escritos, impõe, contra todos os pareceres dos melhores especialistas da Linguística e da Filologia, o critério fono-cêntrico e buco-auditivo da «pronúncia» que, por determinação normativa da liquidatária e assassina Base IV, «devora» letras fundamentais da estrutura morfo-semântica e identitária das matrizes histórico-genealógicas mais profundas do vocabulário mais denso, mais rigoroso e mais expressivo da Língua Portuguesa, que é, importa lembrá-lo, uma língua românica ou neo-latina?…
    Só se, paradoxalmente, se estiver a pensar numa espécie de aproximativo retorno à fase da «Pré-história», ou seja, ao tempo em que ainda não tinha sido inventada a «escrita», com a qual se inaugura a fase da «História»!… Nessa altura (ou seja, há cerca de 6. 000 anos [*]…), ainda não se comunicava através de textos alfabético-grafémicos: era o tempo exclusivo do modo oral de comunicar, sem qualquer outro modo que lhe fizesse concorrência…
    Que dizer, portanto, de um documento que impõe, como “norma” o seguinte critério: «grafema que não se pronuncia, suprime-se»?!… Como se todas as letrinhas, todos os grafemas que se escrevem tivessem que ser obrigatoriamente pronunciados!…
    Vejamos, a propósito, um exemplo bem elucidativo retirado da língua inglesa, que é, hoje, a língua mais mundializada, tanto no modo oral, como no modo escrito de comunicar.
    Como se sabe, em inglês, escreve-se «knowledge», «know», «unknown» [un-known], palavras todas elas, “ortografadas”, como se pode ver (como se pode ler), com um «k». Só que este «k» não se pronuncia. Então por que razão será que este «k» se ortografa?… Será que os largos milhões que assim procedem são «analfabetos», são «iletrados»?… Não será, pelo contrário, que pelo menos os mais esclarecidos de entre eles sabem que aquele «k» que se «grafa», que se «escreve», embora não se pronuncie, está lá bem grafado para sinalizar (sublinho: para sinalizar) visualmente que a raiz destes vocábulos («knowledge», «know», «unknown»…) é a mesma e fundamental raiz indo-europeia «gno- / gne- / gn-// kno- / kne- / kn-» (em sânscrito: «jna-»; em russo: «zna-t»…) que está presente em lexemas como «gnosis», «gnose», «gnómico», «agnóstico», «diagnóstico», «prognóstico», «ignorar», «cognoscere» (> «conhecer», por via popular), «cognição», «cognitivo», «ignaro» e em seus outros inúmeros cognatos…
    Ora essa raiz, pelo facto de ser raiz, tem o poder morfo-semiogénico de inseminar em a toda aquela família lexical o mesmo e fundamental significado «adeânico» (adjectivo derivado de «adn»…), o significado identitário de «conhecer», que é transversal a todos aqueles vocábulos…
    Se assim não é, então por que razão é que este dito «acordo» não suprime o grafema «h» inicial em palavras como «hábito», «homem», «honra», «humanidade», etc…, ou o grafema «u» em palavras como «queda», «queimar», «quente», «tanque», etc., uma vez que estes grafemas não se pronunciam?… Que coerência é esta, que «acordo», ou antes, que «desacordo» é este, que só veio fomentar a «discórdia» e gerar a confusão?!… Pobres das crianças e dos jovens que estão a ser iniciados como cobaias indefesas na aprendizagem deste analfabético e iliterácico novo «acordo», por “ditatorial” decisão de dirigentes políticos irresponsáveis e incompetentes!…
    Por que razão, minimamente plausível, se impõe «por decreto» a supressão dos grafemas «c» e «p» nas sequências grafémicas «ct», «pt» e similares situadas no interior de centenas e centenas de vocábulos fundamentais para a promoção da cultura científica e sapiencial e para as terminologias especializadas, imprescindíveis à formulação dos conceitos que estruturam e organizam o conhecimento mais rigoroso, afastando a língua portuguesa das práticas escritas das línguas mais importantes na comunicação e divulgação desse mesmo conhecimento, como é o caso paradigmático da língua inglesa?…
    Então a língua portuguesa, uma língua implantada em todos os continentes, não tem o direito de participar nas dinâmicas de divulgação científica e sapiencial, lexical e terminológica da grande inter-comunicação à escala mundial?…
    Desempenhando o léxico especializado um papel fundamental nesse processo inter-comunicativo, tem algum cabimento (se se ponderar bem esse crucial e estratégico aspecto…), afastarmo-nos das línguas mais globalizadas, como é o caso do inglês, do espanhol e do francês?…
    E quais vão ser as consequências para a didáctica racional e inteligente desse vocabulário, em que a técnica, entre outras, da análise morfémica e etimológica das palavras (raiz, prefixos, sufixos…) continua a ser uma técnica insubstituível, segundo o entendimento dos melhores especialistas na matéria?…

    Fernando Paulo Baptista

    Nota:
    [*] «A História teve início com a Invenção da Escrita. O primeiro capitulo abre-se na Mesopotâmia, no vale do rio Tigre e Eufrates, por volta de 4000 a.C. Os sumérios, primeiro povo da Civilização Mesopotâmia, inventaram a escrita.© (Cf. por exemplo:
    http://www.civilizacaoantiga.com/2009/05/invencao-da-escrita.html
    http://www.submundos.com/forum/cultura/a-invencao-da-escrita-e-evolucao/

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.