O Arquivo “Dialetal” de amostras dialectais

dialetal_dialectais

«Bem vindo à página do Arquivo Dialetal do Centro de Linguística da Universidade do Porto.

Nesta página, é livremente disponibilizada a todos os interessados uma parte substancial da coleção de amostras dialectais do Arquivo; para cada amostra, além da gravação sonora, é dada a transcrição fonética e ortográfica, bem como uma breve caracterização linguística.

Os dados constantes do Arquivo Dialetal foram recolhidos por estudantes da Faculdade de Letras da Universidade do Porto a partir de 1994, no âmbito de trabalhos académicos de Linguística Portuguesa.

No site, encontrará um conjunto de informações úteis para uma boa utilização da página e dos recursos que ela disponibiliza.

O Arquivo Dialetal do Centro de Linguística da Universidade do Porto foi financiado pelo Centro de Linguística da Universidade do Porto (financiamento FCT, Projeto Estratégico PEst-OE/LIN/UI0022/2011) e recebeu apoios importantes da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e da Oficina do Mapa da Faculdade de Letras da Universidade do Porto.»

Universidade do Porto

Ver índice cAOs

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2015/03/29/o-arquivo-dialetal-de-amostras-dialectais/

1 comentário

    • Inspector Jaap on 31 Março, 2015 at 13:40
    • Responder

    E é a isto que a Universidade do Porto está reduzida??? Alto crime devemos, então, ter cometido nós, os amantes da Língua Portuguesa!
    «Dia-letal» foi aquele em que nos escaninhos da casa que deveria representar os Portugueses foi urdida esta infâmia por 2 ou 3 aberrações que mandaram a lógica às malvas e logo pressurosamente aprovada por um parlamento sem coluna vertebral e comandado pelo grande vulto das letras e das artes que o regia ao tempo:
    Dialetal e dialectais, pois claro!
    Egito e egípcio, pois claro!
    Caráter e caracteres, pois claro!
    Como dizia o outro:
    – E o burro sou eu?
    Se o grotesco pagasse imposto, haveria (mais) pessoas a morarem a título definitivo no “estabelecimento prisional de évora”* por fuga ao fisco (e à cultura e ao lusismo), etc.
    *= Mais uma das pérolas deste maldito aborto gráfico; de facto tudo agora é minúsculo neste desgraçado país já quase sem alma nem identidade.
    Cumpts

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.