AO90 obrigatório nos exames nacionais (II)

torredebabel«By destroying the words themselves, the state would be able to destroy the concepts they represented.»
George Orwell, “1984”

«Contrariamente ao muito que se diz por aí, as alterações que vão ser introduzidas são muito poucas e julgo que basta uma meia hora para os professores aprenderem as novas regras. E depois é aplicá-las.»
Paulo Feytor Pinto, presidente da Associação de Professores de Português (APP), 2 de Setembro de 2009, “Diário Digital”.

Há resistências de algumas pessoas, e não são muitas, que têm uma relação emocional, clássica, física e sensorial com a Língua. Mas ninguém será abatido, preso ou punido se não aderir às novas normas. O Acordo é uma simplificação da Língua.
José António Pinto Ribeiro, ex-Ministro da Cultura, in semanário “Expresso“, 19.08.08.

publico

Aplicação do Acordo Ortográfico de 1990 nos exames preocupa professores e alunos

Há um grupo activo de docentes, no Facebook, a pedir que este ano ainda sejam admitidas ambas as grafias, o que também é reclamado pelos alunos numa petição pública. Mas a presidente da Associação de Professores de Português não concorda.

Os professores que estão contra a aplicação do Acordo Ortográfico (AO) de 1990 nos exames do 9.º e do 12.º ano pretendem “bombardear” o Ministério da Educação e Ciência (MEC) com cartas e mensagens, pedindo que aqueles ainda possam, este ano, usar a grafia de 1945. Mas a questão não é pacífica. A presidente da Associação de Professores de Português (APP), Edviges Ferreira, não só discorda como afirma que “muitos” docentes “prejudicaram seriamente os seus alunos por não terem cumprido em devido tempo as determinações do MEC”.

Um aluno que não domine a nova ortografia e escreva “efectiva” em vez de “efetiva, “pára” em vez de “para” ou “acção” em vez de “ação” por exemplo, pode perder “entre quatro a cinco valores em 20, segundo a presidente da APP. O que, admite Edviges Ferreira, tem consequências potencialmente graves, nomeadamente no que respeita à nota final e ao acesso ao ensino superior.

Os pontos de concordância entre a presidente da APP e parte dos professores que representa e alguns dos estudantes, contudo, são apenas aqueles. Edviges Ferreira mantém que “quer professores quer alunos estão fartos de saber que este ano já só seria admitida a nova grafia”. Considera ainda que, “se todos os docentes tivessem feito o que deviam, preparando os alunos activamente, durante os últimos três anos, para este momento, não haveria qualquer problema”. Afirma, ainda, não ter dúvidas de que os docentes não tinham duas hipóteses: “Se são funcionários do MEC e o MEC determina que o AO é para cumprir só têm de obedecer”, disse, em declarações ao PÚBLICO.

Os professores que apelam ao MEC para que admita as duas grafias têm perspectivas diferentes. No grupo de Facebook denominado “Professores contra o Acordo Ortográfico”, que na tarde desta quarta-feira reunia 8810 elementos, uma das promotoras, Ana Mendes da Silva, é clara, ao criticar o poder político por, na sua perspectiva, querer “obrigar os professores, de forma ilegal, a serem cavalos de Tróia desta realidade alternativa que subscreveram e na qual insistem”, ou seja, do AO de 1990.

Ontem, naquele grupo, mantinha-se um apelo a que os seus membros “bombardeiem” o MEC e os órgãos de comunicação social com o pedido para que os alunos não sejam obrigados a respeitar a nova grafia nos exames do 9.º e do 12.º anos.

Junto estava a minuta de uma carta em que se expõem os motivos. Entre eles, a inexistência “de um modelo estável de língua, uma vez que a implementação do AO de 90 originou uma imensa confusão em toda a sociedade portuguesa, incluindo nos organismos estatais”, “nas próprias escolas” e “em toda a comunicação social”; e também o facto de, na perspectiva dos subscritores, “as datas para a entrada em vigor da obrigatoriedade do uso do AO de 90 nos exames nacionais” terem sido “definidas partindo do pressuposto de que a língua teria encontrado um modelo estável durante este tempo (…) o que não se verifica”.

É possível conhecer a preocupação de pelo menos parte dos alunos através do texto da petição pública lançada em nome Comissão Estudantil para a Tolerância quanto ao AO90 nos Exames, do Liceu Camões ou Escola Secundária de Camões. Ali, juntam-se novos argumentos. Os mais de 1500 subscritores (a meio da tarde desta quarta-feira) sublinham a “indiscutível dificuldade de reaprendizagem da língua portuguesa para os alunos cuja introdução ao AO de 1990 se efectuou tardiamente, após o quarto ano de escolaridade obrigatória”. No texto, a “comissão estudantil” defende ainda que “a preocupação dos discentes em corresponder aos critérios” de correcção linguística “interfere na concentração de atenção no conteúdo em exame e, consequentemente, na sua prestação global”.

[Transcrição integral de notícia do jornal “Público” de 11.03.15. “Links” adicionados.]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2015/03/11/ao90-obrigatorio-nos-exames-nacionais-ii/

3 comentários

    • Maria José Abranches on 11 Março, 2015 at 23:49
    • Responder

    Boa ideia recordar estas declarações, entre outras igualmente notáveis e totalmente descabeladas, de José António Pinto Ribeiro, Ministro da Cultura de José Sócrates. Convém não esquecer o papel desse ministro na aceleração de todo o processo de imposição do AO90.

    E convém também não esquecer o desempenho vergonhoso da APP que, por qualquer motivo inexplicável, ‘colou’ entusiasticamente ao poder político no que toca à imposição do AO90 no sistema de ensino. O delírio começou com Paulo Feytor Pinto e continuou com a actual presidente, Edviges Ferreira. Professores de Português? Só se for para rir!

    E já agora de que estão à espera os sindicatos de professores e as associações de pais? Ainda não tiveram tempo de ver o que está a acontecer com a nossa língua? Ainda não perceberam que os alunos, que o poder político decidiu transformar em cobaias, serão os primeiros sacrificados? Não há capacidade para reagir perante este insulto aos que constituem a esperança de um futuro melhor para o país?

    Já assinei a Petição Pública da Comissão Estudantil para a Tolerância quanto ao AO90 nos Exames, do Liceu Camões ou Escola Secundária de Camões e saúdo os alunos que assim demonstram ter espírito crítico e capacidade de intervir na sociedade.

    • Português. on 12 Março, 2015 at 5:02
    • Responder

    Eles fazem de conta que escrever detetar é como se nada fosse.

    Como se um dia essa merda que nos impingem tivesse nexo.

  1. Muito bem, Maria José Abranches! Paulo Feytor Pinto, José António Pinto Ribeiro e Edviges Ferreira não passam de três demagogos profissionais, três “Maria-vai-com-as-outras” fazendo tudo para agradar a quem manda e a quem lhes paga. Enfim, três traidores da Língua Portuguesa. E aproveito para fazer minhas as suas palavras: “já agora de que estão à espera os sindicatos de professores e as associações de pais? Ainda não tiveram tempo de ver o que está a acontecer com a nossa língua?”.
    E Sr. Presidente da República, está à espera de quê? Ainda não teve tempo de ver o caos em que mergulhou o nosso idioma? Não lhe resta um pingo de sangue “para reagir perante este insulto” feito a todos os portugueses?

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.