«Penalidade de expressão» [Octávio dos Santos, “Público”, 21.04.14]

publicoNo ano em que se assinalam quatro décadas desde a revolução de 25 de Abril de 1974, a liberdade de expressão que – supostamente – dela resultou ainda não é um conceito completamente compreendido e consolidado.

Não porque exista uma entidade “oficial”, estatal, que imponha a censura prévia a órgãos de comunicação social mas sim porque ainda existem muitas pessoas em Portugal que pensam que a emissão de determinadas informações ou opiniões, pela sua forma e/ou o seu conteúdo, deve ser passível de penalização criminal, corporativa ou administrativa… apesar de aquelas não conterem, à partida e aparentemente, elementos falsos e/ou difamatórios. Seguem-se quatro exemplos recentes.

[…] […] […]

O quarto exemplo refere-se ao “acordo ortográfico”. Têm-se sucedido os casos de cidadãos a quem são recusadas regalias – ou, pior, a quem são aplicadas sanções – pessoais e/ou profissionais por se recusarem, com toda a legitimidade, a submeter-se à ilegal perversão da língua portuguesa decidida por uma ínfima minoria. Como o escritor Abel Neves, que revelou em Janeiro último que a Imprensa Nacional-Casa da Moeda não edita três das suas peças de teatro por ele não querer a(dul)terar aquelas segundo o infame (des)acordo. Será possível que na INCM não exista quem conheça e tenha lido o Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos nacional, que também reflecte e replica legislação e jurisprudência internacionais, e que dá inequivocamente a todos os artistas a prerrogativa de utilizarem e de verem respeitada a linguagem que eles quiserem? E os “antifascistas”, que, sob o menor pretexto e contra qualquer opressão, real ou imaginária, se manifestam, protestam, e cantam “Grândola, Vila Morena”, vão conformar-se, 40 anos depois, com celebrar “abril” com letra pequena? Vão aceitar a delapidação da ortografia que imita e até intensifica a que foi feita em 1943 em pleno regime do Estado Novo (sim, também foi essa a designação no Brasil) de Getúlio Vargas, numa manobra de deliberado afrontamento e afastamento – cultural e não só – em relação a Portugal?

Infelizmente, não faltam neste “jardim à beira-mar plantado” as pessoas que estão disponíveis para fazer queixas e cumprir ordens, por mais absurdas que sejam. O que explica também porque é que aqui se viveu em ditadura(s) durante mais de 70 anos. Ou serão mais de 100?

Octávio dos Santos
Jornalista e escritor

[Transcrição parcial de artigo da autoria de Octávio dos Santos. In jornal “Público” de 21.04.14. “Links” inseridos por nós.]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2014/04/21/penalidade-de-expressao-octavio-dos-santos-publico-21-04-14/

2 comentários

    • Elmiro Ferreira on 21 Abril, 2014 at 23:09
    • Responder

    É isso mesmo, relativamente ao enxovalho ortográfico a que Portugal é sujeito, os “guardas da revolução de abril” não vão além dum reverente ámen.

    • Maria José Abranches on 23 Abril, 2014 at 23:14
    • Responder

    Seguindo o “link” inserido no texto de Octávio dos Santos, em “fazer queixas”, fui reler esta espantosa declaração do ex-Ministro da Cultura de José Sócrates:

    “Há resistências de algumas pessoas, e não são muitas, que têm uma relação emocional, clássica, física e sensorial com a Língua. Mas ninguém será abatido, preso ou punido se não aderir às novas normas. O Acordo é uma simplificação da Língua.”
    [José António Pinto Ribeiro, ex-Ministro da Cultura, in semanário “Expresso”, 19.08.08.]

    Não há ninguém disponível para elaborar um “florilégio do disparate”, uma recolha sistemática dos despautérios lançados na comunicação social por estas ‘luminárias’ que nos têm governado?!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.