Audiência de MCV, VGM e NP no Grupo de Trabalho parlamentar sobre o AO90

Gravação da audiência concedida em 07.01.13 a Maria do Carmo Vieira, Vasco Graça Moura e Nuno Pacheco pelo Grupo de Trabalho parlamentar sobre o AO90, no âmbito da Comissão de Educação, Ciência e Cultura.

É com muito gosto que divulgamos aqui esta gravação, sendo também de aplaudir a decisão da ARTV de não apenas gravar em áudio como de filmar esta audiência em particular, disponibilizando-a ao público em menos de 24 horas.

[Este vídeo é uma reprodução (YT) do original alojado em © ARTV.]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2013/02/10/audiencia-de-mcv-vgm-e-np-no-grupo-de-trabalho-parlamentar-sobre-o-ao90/

12 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Maria José Abranches on 10 Fevereiro, 2013 at 19:47
    • Responder

    Só posso dizer: excelente!

    Vamos esperar que a visível “cegueira” de alguns empedernidos tenha cura!

  1. A Canavilhas é um caso perdido:
    – O «coiso» não tem cor política (tem: verde e amarelo) mas lá chegou à laranjada que queria babujar.
    – Enche-se de brio para ouvir o sentir da sociedade e refugia-se no argumento de «a Assembleia aprovou com maioria quase unânime», como quem diz que um bando de enfeudados (ou cretino) investidos de poder legislativo são infalíveis.
    – Morigera com a contenção de Graça Moura (por contraponto à natural reacção ao esbulho de identidade da prof. Maria do Carmo e de Nuno Pacheco) e assanha-se com o deputado do C.D.S. por ele frisar a notória asneira da Assembleia por dar corpo a um instrumento cintífica e políticamente mal feito.
    Um caso completamente perdido.
    Cumps.

    • Hugo X. Paiva on 10 Fevereiro, 2013 at 23:07
    • Responder

    Nuno Pacheco foi tímido ao fazer referência ao trabalho de Maria Regina Rocha.
    Faltou dizer:
    190 palavras com grafia dupla em ambos os países (circunspecto;circunspeto)

    57 Palavras com grafia dupla só em Portugal (conceptual;concetual),( Br. conceptual)

    788 Palavras mudam para uma das duplas grafias do Brasil (perspectiva muda para perspetiva sendo que no Brasil a mais usada é perspectiva).

    200 Palavras mudam só em Portugal ( receção,PT;recepção,Br.)

    200 Palavras inventadas,não existiam,e passam a existir só em Portugal (deceção, Pt;Brasil:decepção)

    O Brasil só ajudou a língua portuguesa ao emprestar o nome à avenida que, em Lisboa, termina no lugar onde o problema dos “acordistas” pode e deve ser tratado.

    Se a senhora Canavilhas algum dia ler o trabalho de Maria Regina Rocha

    http://ilcao.com/?p=9253#comments

    e depois disso chame “paixão” à repugnância que exprimenta quem se insurge contra a aplicação desta imbecilidade, eu aproveito para lhe dizer que a cidade onde nasceu o Direito que assiste ao mundo civilizado, deu nome à avenida que separa a do Brasil da tal casa onde “acordistas” podem encontrar remédio para a maleita de que padecem.
    Pode ser que tudo isto seja apenas um sonho mau, e que quem esteja louco seja eu, e que o que tenho à frente dos olhos não passe de uma alucinação. Se é, quero acordar, perdão, despertar!

    • Hugo X. Paiva on 10 Fevereiro, 2013 at 23:13
    • Responder

    Troquei o nome das avenidas.A do Brasil separa e a de Roma começa e não termina,porque fica melhor assim,porque é tempo de o Direito Romano começar a funcionar.

  2. Excelente! Já a senhora deputada do PS só não se iluminará se já tiver entrado para o grupo com uma posição definida e se não se der ao trabalho de ler tudo o que lhe foi disponibilizado.

    Só umas questões, e agradeço a quem me souber responder: Quando terminará este grupo de trabalho? O que poderá resultar disto caso, e tenho enormes esperanças que assim seja, concluam que o ao90 deveria ser suspenso? Têm de a transmitir a outra autoridade, mas e depois? O que pode resultar de benéfico? Pode ser o equivalente à ILC? Peço desculpa desde já mas não estou muito dentro desses assuntos.

  3. Leia-se p.f. no comentário n.º 2 — «…um bando de enfeudados (ou cretinos) investidos de poder legislativo é infalível.»
    A bem da Gramática.

    • Pedro Marques on 11 Fevereiro, 2013 at 17:47
    • Responder

    SH só consigo ver uma coisa, que com este governo e esta linha política é impensável que o acordo seja suspenso, e esta suspensão não creio que se alastre aos meios de comunicação social que tão bem destróem a cultura portuguesa, identidade…

    • Maria Oliveira on 12 Fevereiro, 2013 at 13:38
    • Responder

    Como dizem? Como?

    Esta audiência ficou disponível em… 24 horas? E em vídeo? Mas quem estava lá?… Jesus Cristo? E as OUTRAS audiências, TODAS as outras? Nomeadamente, a do grupo que criou a ILC, porque é que só apareceu em áudio e… cerca de 7 dias depois?…

    Se isto não cheira a esturro, então é porque Graça Moura é “arraçado” de Deus, ou pelo menos, alguém anda a confundir essa árvore com a floresta que somos todos nós.
    Deveras curioso, para não dizer PREOCUPANTE… E sai um VOLP “quentinho”.

    1. @Maria Pereira, esta foi só a 2.ª audiência no GT AO90; já está mais uma agendada e outras se seguirão, ao que sabemos. Desconhecemos os critérios de gravação/filmagem.

  4. Ouvi com a maior atenção a intervenção dos representantes da ILC e as questões levantados pelos deputados, na reunião com o Grupo de Trabalho (GT) em 31 de Janeiro, bem como as intervenções de Vasco Graça Moura, Maria do Carmo Vieira e Nuno Pacheco e respectivas reacções dos deputados, na reunião com o GT em 7 de Fevereiro.
    Independentemente do maior ou menor brilhantismo dos diferentes interventores anti-acordistas, a sensação com que fiquei é de alerta e preocupação.
    De uma forma geral, e com excepção talvez do PCP e, de uma maneira individualizada, do CDS-PP, não me pareceu que houvesse uma evolução favorável, por parte dos deputados, entre a primeira reunião e a segunda, não obstante os esmagadores argumentos anti-AO90 amplamente apresentados. Pior: pareceu-me que a deputada do PS tinha endurecido a sua posição, afigurando-se-me mais intransigente na segunda que na primeira. Tem circulado na Internet abundante comprovação das ligações entre a maçonaria (tanto regular como irregular) e as cúpulas dirigentes do PS, bem como a forte pressão maçónica para adopção e implementação do AO90.
    Se assim for, e se os deputados do PS estiverem sujeitos à disciplina partidária no dia em que for votada na AR a decisão de se revogar ou não o AO90, temo que não bastem o brilhantismo, a razão, e a inquestionabilidade dos argumentos anti-AO90 para demover semelhante penedo.
    Oxalá me engane e todos os outros partidos, a começar pelo PSD (dois dos mais acérrimos anti-acordistas são do PSD: Vasco Graça Moura e o deputado Mota Amaral, que já foi Presidente da AR) tenham um ataque de bom senso e façam, perante o povo português que os elegeu, o que é correcto.

  5. Eu quero acreditar que a senhora deputada do PS se esteja a iluminar e que o pedido para que a audiência se prolongasse por mais meia-hora represente algo de bom. Talvez esteja mais do que convencida por dentro e esteja só a combater os fantasmas da sua possível opinião pré-formada. Ah, e ainda bem que temos isto em vídeo… Uma expressão facial diz muito.

    Seja como for, eles no fim têm de elaborar um relatório fundamentado.

    • Jorge Teixeira on 13 Fevereiro, 2013 at 17:25
    • Responder

    @António de Macedo Oxalá se engane, e eu também me engane, porque o final do “filme” é mais do que previsível.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.