“Tempestades ortográficas”

notícia DN/Lusa, 16.11.12

notícia DN/Lusa, 16.11.12

Jose Henrique Lamensdorf

No final do artigo mostram o motivo do risco: Há POLÍTICOS (aparentemente nos dois lados do Atlântico) querendo governar a língua portuguesa, tornando-a um instrumento de manobra para o poder econômico, e fazendo-a deixar de ser a forma de expressão dos povos lusófonos. Pelo jeito, esse acordo ortográfico foi apenas o começo.

Se deixarem, daqui a alguns anos estaremos sendo obrigados a falar e escrever um dialeto sintetizado por lobbyistas, e a chamá-lo de língua portuguesa.

Espero que a demanda por reedições causada por esse acordo ortográfico tenha saciado a sede de lucros das editoras convencionais, e reposto a perda inesperada decorrente da ascensão dos e-books. Se não tiver, haverá mais tempestades ortográficas à frente.

[Transcrição de comentário de Jose Henrique Lamensdorf (Brasil) na rede social Linkedin, em 17.11.12.]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2012/11/17/tempestades-ortograficas/

3 comentários

    • Hugo X. Paiva on 18 Novembro, 2012 at 5:34
    • Responder

    Com a intenção de internacionalizar a língua deram os “acordistas” em eleminar as consoantes mudas de que se tem falado. Assim a palavra perspectiva, perde o “C” para ficar mais transparente.Em Inglês,Francês e Castelhano a palavra escreve-se e lê-se com “c”. Em alemão leva “k”.Em Inglês o som do “c” é perfeitamente audivel.Em castelhano não é tanto, mas é.
    O que eu não sabia, era das consoantes “invisíveis”.Ao que parece é uma consoante que não se escrevendo, pronuncia-se! É o caso do “c” em “perspetiva/acordês”.Aprendi com a Dilma;veja-se no video aos 6′.08″.

    http://www.youtube.com/watch?v=jYY0PwYTxaw

    • Maria José Abranches on 19 Novembro, 2012 at 16:32
    • Responder

    “A língua portuguesa corre o risco de perder relevância na era digital”… ? Mas então os números astronómicos de falantes brasileiros e o empenho e os dinheiros (inimagináveis!) investidos na pseudo “unificação” realizada pelo AO90, por sua vez sucessor das tentativas acordistas de 1975 e 1986, não são afinal a panaceia universal, garantia absoluta da “internacionalização” da língua portuguesa?!!!

    • Pedro Marques on 19 Novembro, 2012 at 18:51
    • Responder

    O Artigo como é óbvio tinha que vir escrito em acordês. Que é uma coisa espera, falam que o Idioma pode estar em risco, mas o próprio jornal, também dá a sua força para isso.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.