«Um acordo que divide» [Teresa Cadete, semanário “O Diabo”, 25.09.12]

1. Quais as principais razões que levaram à condenação do AO pelo PEN Internacional?

Mais do que razões, foi todo um processo de debate e esclarecimento nos encontros do PEN Internacional, em que alertámos os colegas dos outros Centros e, mais especificamente, dos comités de Tradução e Direitos Linguísticos CTDL e de Escritores para a Paz. No Congresso e Assembleia Geral anual, em Belgrado, em Setembro de 2011, foi aprovado o Manifesto de Girona dos Direitos Linguísticos, reconhecendo a cada país ou grupo cultural o direito (aliás consignado na Constituição da República Portuguesa) de defender a língua materna como património comum. No encontro do CTDL em Barcelona, em Junho deste ano, após a intervenção da nossa Vice-presidente Maria do Sameiro Barroso foi decidida a elaboração de uma resolução a discutir e votar no Congresso anual do PEN Internacional em Gyeongju, Coreia do Sul, que ocorreu de 9 a 15 de Setembro. Todos estes documentos podem ser consultados no blog Proximidade do site do PEN Clube Português, em www.penclubeportugues.org

2. Como é que a comunidade linguística internacional vê o AO?

Presumo que se refere à comunidade do PEN Internacional, que conta com mais de 145 Centros em 104 países. Por aqui já se vê que nem sempre um Centro PEN corresponde a um país, mas a uma comunidade linguística com identidade própria. A incredulidade face ao AO foi tão grande que os redactores da resolução tiveram que apensar-lhe uma cronologia para que as 87 delegações presentes na Coreia percebessem como se tinha chegado a tal ponto, ou seja, como a população portuguesa tinha permitido que o AO fosse imposto como foi, à revelia das boas práticas linguísticas, não só aqui com o português europeu mas também no Brasil com a variante brasileira. Estamos no século XXI, na época da glocalização, do conhecimento global e aproximação mútua no respeito pela diferença local. A imposição de homogeneização (que, como vimos, não existe) é, no fundo, um anacronismo. No caso do AO, mais ainda, é uma mentira. Aconselho os leitores a lerem a resolução do PEN Internacional na sua íntegra. Enche-nos de vergonha face aos anglófonos, francófonos, hispanófonos.

3. Esta decisão do PEN Internacional é importante para a manutenção da actual ortografia?

Pelo menos dá ânimo a quem é guiado pelo mais elementar senso comum de manutenção de uma ortografia perfeitamente operacional e articulada com a família linguística europeia. E não seremos mais europeus do que brasileiros ou africanos? É uma questão de história e geografia elementares. Em plena igualdade com aqueles, atenção! As reacções contra o AO não são xenófobas, ao contrário do que se pretende dizer de má-fé. São manifestações de respeito mútuo.

4. O que diz aos que acham que ir contra o AO é uma causa perdida?

Depende de que ponto de vista falam. Num dos campos, os acordistas parecem muito seguros de si e da força daquilo a que chamam o facto consumado. Não deixa de ser curiosa a semelhança – mutatis mutandis – da acusação de “histeria” pelos acordistas a quem recusa deixar que a sua língua materna seja laminada e mutilada, com as atitudes de regimes totalitários que internavam os opositores em hospitais psiquiátricos, para não falar da “histeria” das mulheres confinadas ao papel de esposa e mãe, sem voz no espaço público. Mas tais discursos podem também ser vistos como sintoma do nervosismo de quem se torna violento (até agora só verbalmente) por insegurança de argumentação. De facto, ainda ninguém soube explicar as vantagens de um acordo que divide onde diz unificar.
No campo dos opositores ao AO, os argumentos em favor da manutenção das variantes como resultado de boas práticas são coerentes mas há sempre vozes derrotistas – o que não é de admirar devido à incipiente cultura política, no sentido mais nobre: de cuidar do que nos diz respeito a todos, fomentando o diálogo e procurando consensos. É difícil resistir quando está em causa o próprio posto de trabalho? Pois é, e já escrevi sobre isso com total compreensão. Mas há meios de resistência, como a criação de grupos de opinião e, é claro, a assinatura da ILC para fazer voltar a discussão e votação à AR. Tenho aqui uma palavra de louvor para as formas criativas de resistência, desde a correcção de manuais escolares passando pelo uso da caneta para acrescentar cs e ps em textos acordizados até à troca de impressões com as pessoas em qualquer espaço público. Por aí se vê também a amplitude da rejeição daquele grafolecto. Em todo o caso, sublinho que ninguém se deve sentir só nesta luta que tem uma base de apoio cada vez maior. E que a possibilidade de mudar esta situação vergonhosa depende mesmo de cada um.

5. Considera que tem havido oposição a um verdadeiro debate sobre o AO?

A correlação de forças muda a cada momento e é um fenómeno fascinante de observar. Podem bloquear aqui e além a discussão, mas quem rejeita visceralmente o AO não ficará sempre calado. Devo também frisar que o PEN é e será um forum aberto a todas as opiniões, embora a esmagadora maioria dos membros se tenha manifestado inequivocamente contra esse “atentado ao corpo escrito da língua”, nas palavras de Maria Velho da Costa.

6. Como é que o AO afectou o mundo da tradução e da edição?

Está a afectar. O feedback de escritores e tradutores à notícia sobre a resolução do PEN Internacional mostra que tínhamos razão ao alertar os colegas do PEN Internacional para as ameaças que pairam sobre escritores e tradutores que não queiram acordizar os seus textos. As causas do PEN tornaram-se diferenciadas. Criado em 1921 para dar assistência a escritores perseguidos e ameaçados, hoje o PEN também defende as línguas ameaçadas, em nome da diversidade linguística e cultural.

7. Muitas editoras acharam que o AO lhes abriria as portas do mercado brasileiro. Mas, de facto, continua a haver duas versões de cada livro…

Duas? Se quisesse ser cínica diria muitas, pois o AO escancarou a porta ao mau escrever, à ortografia desbragada e aleatória! E os editores portugueses acordizantes merecem ser escarnecidos com uma “receção” num Brasil onde se escreve e escreverá “recepção”. Que o resultado seja então como se pronuncia: uma recessão… Sempre disse aliás que o AO é um atestado de imbecilidade passado aos brasileiros que, coitados, acabam por ficar com a imagem de serem incapazes de ler acto, facto, acção…

8. Que acha das editoras nacionais que não adoptaram o AO?

Chapéu! Merecem que os cidadãos que não gostam do AO comprem os seus livros.

9. Também na imprensa há jornais que não adoptaram. O que acha daqueles, como “O Diabo”, que se opõem ao AO?

Idem, para os jornais.

10. Como é que o cidadão comum pode opor-se ao AO?

Atenção, há quem goste do AO, como há quem goste de salsichas… Quem se opõe visceralmente pode armar-se com os apetrechos da imaginação – é delicioso desobedecer a, e contrariar, normas imbecis! Não dou receitas de propósito: que cada pessoa descubra as suas. A resistência ao AO tem de passar por todos os momentos. Já falei da ILC, dos debates cívicos. Pode ser uma oportunidade para poupar dinheiro em livros e valorizar os que se tem em casa. E para cultivar as línguas estrangeiras, quanto mais não seja para sentir como somos europeus, com raízes greco-latinas comuns. Sobretudo, é muito importante que os editores acabem por verificar que os negócios chorudos com que estavam a contar eram como a fábula da leiteira e do pote partido: que brasileiros querem ler “perspetivas” de “aspetos”, quando têm e terão sempre outras percepções? E ainda não falámos dos países africanos…
A derradeira mensagem não pode deixar de ser esta: não deixemos que o diktat do AO continue a acontecer-nos. E isso começa por escrevermos como temos feito até aqui. Claro que me preocupa a geração dos nossos filhos e netos, massacrados com o eduquês, a TLEBS e agora o acordês. Mas é possível dar a volta a isso – e é um desafio à intensificação da cooperação intergeracional. E à redescoberta dos nossos autores que escrevem em bom português, desde os clássicos a um Carlos de Oliveira, José Cardoso Pires… E o “Camões sem acção” – como vi escrito numa cinta, horror dos horrores – que vá para a reciclagem.
Os governos sucessivos, sempre tão afanosos em encomendar estudos, nunca se preocuparam em avaliar o custo real de uma implementação do AO que – ouso vaticinar – nunca acontecerá, pelo menos nas próximas décadas. O tenebroso argumento da modernização da língua – e aqui vem a “pharmácia” quase sempre à baila – equivale a dizer: Ponham de parte a comida tradicional portuguesa e comam no MacDonald’s! Aí também o cidadãoque não goste do AO tem uma palavra a dizer, não só, como já foi sugerido acima, solicitando nas livrarias que lhe forneçam livros em bom português, nas bancas de jornais comprando publicações não acordizadas (a redacção é sempre mais cuidada), mas de mil e uma maneiras. Por exemplo dizendo nas lojas: Não mude esta tabuleta (com “secção, p. ex.), pode voltar a precisar dela. Uma gota de humor corrosivo só ajuda. Disse aliás muitas vezes que gostaria de ver um novo outdoor dos Gato Fedorento no Marquês de Pombal, desta vez não contra um partido xenófobo mas contra a lapidação do nosso património comum. Mesmo que isso nunca venha a ser executado, as redes sociais podem ser rastilhos para acções interessantes – que estão em parte a decorrer já.

[Transcrição integral de entrevista a Teresa Cadete, Presidente do Pen Clube Português, realizada por Duarte Branquinho, Director de “O Diabo“, publicada por aquele semanário no dia 25.09.12. Sublinhados e “links” adicionados por nós.]

[Via “post” de Teresa Cadete no Facebook.]

[Nota: os conteúdos publicados na imprensa ou divulgados mediaticamente que de alguma forma digam respeito ao “acordo ortográfico” são, por regra e por inerência, transcritos no site da ILC já que a ela dizem respeito (quando dizem ou se dizem) e são por definição de interesse público (quando são ou se são).]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2012/09/27/um-acordo-que-divide-teresa-cadete-semanario-o-diabo-25-09-12/

5 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. O Brasinhol que nos querem fazer engulir, tipo oleo de fígado de bacalhau, para o nosso superior interesse, é mais que um simples disparate de académicos arrogantes, integra-se em movimentações mais vastas de eliminação da “Portugalidade” para facilitar o abraço constritor ao vértice sudoeste da Europa.
    A Lusosofonia, conceito Cavalo de Troia para o vazio conceptual resultante da diluíção/negação de Portugal, será mantida enquanto for útil para acoitar as piranhas acordistas que, ao auto nomearem-se interlocutores junto das Googles, Microsofts e etc já não se vêem de regresso ao Sertão.
    É óbvio que tudo isto é facilitado pela fraca qualidade a que a “Portugalidade” tem vindo a ser reduzida, a tal ponto que já não falta muito para que os entrepostos Chineses passem a ser o ponto alto dos passeios familiares aos fins de semana e em que a leitura dos textos exotéricos que acompanham os produtos representem momentos de extâse poético.

  2. Um cometário nada nulo, o anterior.

    • Pedro Marques on 28 Setembro, 2012 at 13:40
    • Responder

    Não sei se a Dra. Teresa Cadete vai ler isto, mas muitos parabéns pela entrevista, e se ler, gostava de lhe perguntar se o Pen também está direccionado também para as traduções e legendagens de filmes ou séries. Passe pelos canais portugueses, e pela Fox e outros que tais e acredite que vai ficar enjoada. Também queria saber o que significa mutatis mutandis e diktat! Obrigado ILC e Dra. Teresa Cadete, e vamos continuar a lutar para combater este acordo assassino da língua portuguesa.

    • Jorge Teixeira on 29 Setembro, 2012 at 12:26
    • Responder

    @Pedro Marques

    Mutatis mutandis (Latim) – Mudando (as coisas) que se devem mudar, isto é, com as alterações ou substituições necessárias à actualização. [Definição do Dicionário Complementar da Língua Portuguesa de Augusto Moreno, capítulo “Lista das principais locuções estrangeiras aplicáveis em português”).

    Mutatis mutandis é uma expressão latina usada em todas as línguas (inglês, francês, italiano, alemão…) porque é uma daquelas locuções que não se conseguem verdadeiramente substituir de forma tão concisa fora do latim. Assim como muitas outras: modus operadi, modus vivendi, ipso facto, habeas corpus, idem, ibidem, etc., i.e., e.g., et al., in extremis, ex voto, de jure, de facto.

    Ou seja, est modus in rebus.

    • Pedro Marques on 1 Outubro, 2012 at 13:22
    • Responder

    Muito obrigado Jorge Teixeira.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.