«A razão das raízes» [Rui Miguel Ventura Duarte , “Público”, 17.08.12]

«É necessário preservar a memória etimológica que existe, como uma “reserva ecológica”»

——————————————————————–

Há entre os opositores ao Acordo Ortográfico de 1990 (A090) quem menoscabe a importância da etimologia e antes se fundamente em motivos de ordem fonografémica intrínsecos ao sistema da língua: designadamente o valor diacrítico das chamadas consoantes mudas no Português euro-afro-asiático, mantendo a abertura da vogal átona precedente (contrariamente à tendência comum de fechamento). É que a etimologia sofreu desde a reforma de 1911 diversos ataques que a fizeram recuar, com privilégio da aproximação à fonética, afinal o argumento mais utilizado pelos paladinos do AO90. E há muito foram simplificadas certas consoantes duplas etimológicas, e extirpados os “y” e os “ph”, além de outras mudas que acabaram por sucumbir nesses processos de mudança, u.g. o “c” em “traduCção”. A defesa da memória etimológica, para que seja um argumento bem-sucedido, justificar-se-ia radicalmente com o recuo a antes de 1911, reaproximando o Português de línguas como o Francês e o Inglês, e consequentemente do Latim, e afastando-a de outras românicas que se “modernizaram”, como o Italiano e o Castelhano. Não vou ao ponto de advogar o recuo à “orthographia” pré-Republicana. Contudo, por defeito de formação e profissão, entendo necessário preservar a memória etimológica que existe, como uma “reserva ecológica”.

A etimologia é configuradora de memória e cultura. Línguas que mantêm na escrita a memória etimológica tornam-se mais aptas à elaboração e construção do pensamento. Isto tem sido enfatizado, e bem, por confrades como Fernando Paulo Baptista. A minha experiência de classicista, de passagem pela gramática comparativa (Grego, Latim e outras Línguas Indo-Europeias), abriu-me à percepção das constantes e das volubilidades da semântica e dos étimos e, com isto, das idiossincrasias e mundividência de cada povo falante de uma das muitas línguas desta grande família. Seja a raiz *wid-/weid-/woid-, que transporta nas germânicas o noema de saber, em Grego de saber e ver e em Latim de ver. Com motivos antropológicos: o saber é tanto mais sólido quanto mais se basear no sentido da visão. Mas também como estudante de línguas e professor de Latim, Grego, e Português Língua Estrangeira no Luxemburgo. Como estudante, o exemplo dado é apenas uma das portas que permitiram melhor entrar no Alemão e no Luxemburguês. Como professor, concluo ser falso que a simplificação ortográfica facilite a aprendizagem – vejam-se os de língua materna inglesa ou francesa. Pelo contrário: uma das estratégias mais profícuas para promover a aquisição de vocabulário, pela relacionação, é a formação de cognatismos, ou famílias de palavras. Os meus alunos (de línguas maternas francófona ou germanófona) apropriam-se melhor se virem acção, actor, agente, actividade, activo, actuação, agenda, agir. Estas consoantes não são mudas no Francês, directamente se estabelecendo a relação: action, acteur, agent, activité, actif, actuation, agenda, agir.

E para um estudante de Português língua materna? Nada muda. Retome-se o exemplo do tema ac-/ag- (fácil explicar a diferença entre “c” e “g”: esta é sonora, aquela surda, sendo sonoras as pronunciadas com a vibração das cordas vocais, ao contrário das surdas; o mesmo traço fonológico opõe “p”/”b e “t”/d”.), como pôr um aluno da escola básica e secundária portuguesa a relacionar ação (ainda vá, tem um “c”), agente, agir, com ator? Ou atividade? Sem “c” nem “g”? E já agora, com actantes, termo técnico da teoria da literatura, em que o “c” se pronuncia (salvo se os acordistas não lhe decretarem a morte sem o sabermos…). Como saberão constituir uma família de palavras, remetendo todas para a ideia de agir, fazer?

Ou como poderão os alunos reconhecer e perceber a sensatez de uma relação entre Egito (uma mentira, pois o “p” não raro é pronunciado em Portugal), Egípcios e egiptologia (formas que o AO90 mantém)? Outro exemplo: optimus. Do radical, havia igualmente em Latim os optimates, que designava a aristocracia. E ainda opulentia, opulentus, opiparus, entre outros. Os últimos exemplos dados fazem perceber que a acepção para a qual apontava o radical era de abundância de recursos. Assim, ser optimas, nobre, significa “aquele que possui recursos, rico”. Óptimo é pois ser rico! Um tal exemplo é apenas útil para quem estuda Latim, mas diz-nos de como a partir de famílias de palavras as diversas línguas formam cultura, e de como os povos que as falam e as escrevem pensam. As línguas e as suas expressões utilizam estes mecanismos para criar e relacionar palavras, por vezes baseados na simples paronímia, u.g. o português ferrolho, do Latino ueruculum, com influência de ferro, pois afinal esse instrumento é feito deste metal (cf. Fr. verrou). A simplificação destrói laços de família.

Há uma opacidade, um mistério da escrita de que fala ainda José Gil no texto citado, em que prevê que estas mudanças induzirão outras na forma de pensar. A ortografia “marca um espaço virtual para o pensamento”. Pois, a escrita, dir-se-ia, demanda precisamente, mediante a descodificação dos signos-grafemas, a observação, a análise e o estabelecimento de relações de sentido, encobertos nos subterrâneos da história das palavras. Outra consequência da sua dissolução é, nas palavras de José Gil (Visão, 16 de Fevereiro de 2012), o empobrecimento dos “movimentos possíveis da língua”. O fim da consciência dessa opacidade “mutila o pensamento”. Anula-o na raiz. Estabelecer relações, analisar e observar são os princípios da ciência e da filosofia e, em geral, da formação de indivíduos e sociedades livres e pensantes. Só por empinanço, e graças a esforço acrescido e forçado, ou destituído de toda a lógica e intuição, ou porque o “s”tor” o diz… se ele próprio o souber. Com isto se preocupará a escola? Ou será um prerrogativa de conhecedores do Latim e do Grego? Se é que alguém doravante os conhecerá, decretado foi já o seu fenecimento…

Dizem que é para facilitar… O Brasil fê-lo com as suas reformas. Portugal prepara-se para o mesmo. Mas produziu e produzirá sociedades mais cultas e pensantes? Ou linguística e culturalmente empinantes? E cuja escrita se reduza a um trogloditismo, à mera transcrição de grunhidos? Repudiamo-lo!

P.S.: Uma das formas de os cidadãos se manifestarem (lembremo-lo) é subscrevendo a Iniciativa Legislativa dos Cidadãos contra o AO em http://ilcao.cedilha.net.

Rui Miguel Ventura Duarte

[Transcrição de artigo de opinião da autoria de Rui Miguel Ventura Duarte. In jornal “Público”, 17.08.2012. Link disponível apenas para assinantes do jornal..]

[Nota: os conteúdos publicados na imprensa ou divulgados mediaticamente que de alguma forma digam respeito ao “acordo ortográfico” são, por regra e por inerência, transcritos no site da ILC já que a ela dizem respeito (quando dizem ou se dizem) e são por definição de interesse público (quando são ou se são).]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2012/08/17/a-razao-das-raizes-rui-miguel-ventura-duarte-publico-17-08-12/

4 comentários

3 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Magistral! Eis a dimensão da catastrophe cultural que nos fulminou em 1911. Eis aonde o vortex em que ella nos traz nos conduziu. Pouco falta para os omens do amanhã.
    Cumpts.

  2. Uma perspectiva (perspetiva?) importante, a das raízes da língua, que é coração da cultura (ou já não?)
    Mas já vai longo este debate, e há problemas de surdez que gritam Sonotone!

    • Maria Miguel on 18 Agosto, 2012 at 20:48
    • Responder

    Bem-haja, Jornal Público. Bem-haja Professor R.M. Duarte!
    Ó, como eu gostaria, ainda, de voltar a ver e a ouvir a conjugação verbal, aplicando todos os pronomes pessoais sujeitos!… e também o condicional!…
    Que fraternidade teríamos com a nossa irmã francesa, além das consoantes “mudas” restauradas!… Que fácil seria a compreensão e a tradução das duas línguas!…
    Em que mutilação se terá eliminado o respeito pelo outro… e a beleza da flexão verbal?…
    Onde andarão o Presente e o Imperfeito do Conjuntivo?…

    O que será feito da palavrinha “também” que já definha sob a hegemonia de “tamém”. De facto, haveria tanto a fazer para salvar o Português!…
    Que mais barbaridades, sobre a nossa Língua Materna, serão cometidas em nome da facilidade? Mas que facilidade?
    Nenhuma facilidade formou gente capaz de pensar. E sem raízes anda-se à deriva. Ao sabor do vento que sopra. E o vento que sopra, nos canais que formatam mentes, continua a omitir as verdades, não abrindo espaços alargados para estes debates.
    Pelo conhecimento deste espaço, que descobri no dia em que a Dra Maria do Carmo Vieira esteve na TVI, com o Professor Medina Carreira, entendo que o principal tem vindo a ser dito, mas congratulo-me sempre que encontro novas intervenções.

    • Jorge Teixeira on 18 Agosto, 2012 at 23:49
    • Responder

    O essencial é travar o AO90. As mudanças ortográficas do século XX prejudicaram a língua e a cultura e são parte do problema do crónico atraso português. A grafia do AO45 é pelo menos uma base ainda aceitável para a sobrevivência da língua portuguesa, coisa que o AO90 não é.

  1. […] No passado dia 17, saiu um texto seu sobre o chamado acordo ortográfico (AO90) no Público. Podem lê-lo aqui. […]

  2. […] No passado dia 17, saiu um texto seu sobre o chamado acordo ortográfico (AO90) no Público. Podem lê-lo aqui. […]

  3. […] no tocante a tal argumentação. No meu artigo “As razões das raízes”, publicado nas páginas deste jornal no passado 17 de Agosto, reconheci, sem reservas, “que a etimologia sofreu desde a reforma de […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.