O AO90: «inútil e prejudicial» [Anselmo Borges, “DN”]

Escola vem do grego scholê, que significa ócio. Mas este ócio nada tem a ver com preguiça. Do que se trata é do tempo livre para o exercício da liberdade do pensar, do aprender e do tornar-se cidadão enquanto ser humano pleno e íntegro, numa sociedade livre. Sempre pensei – uma das heranças do meu pai – que a escola deve ser o lugar da saída da ignorância e da opressão, em ordem ao progresso e à realização plena do ser humano. Lugar de educação e formação.

A palavra educação vem do latim: educare (alimentar) e educere (fazer sair, dar à luz, elevar). Cá está: alimentar e fazer com que cada um/a venha à luz, realizando as suas potencialidades, segundo o preceito paradoxal de Píndaro: “Homem, torna-te no que és”: o Homem já nasce Homem, mas tem de tornar-se plenamente humano.

Aí está a razão da educação como o trabalho mais humano e humanizador, de tal modo que o filósofo F. Savater pôde justamente considerar os professores “a corporação mais necessária, mais esforçada e generosa, mais civilizadora de quantos trabalham para satisfazer as exigências de um Estado democrático”. Porque o que é próprio do Homem não é tanto aprender como “aprender de outros homens, ser ensinado por eles”.

Claro que, assim, sou a favor de uma formação holística. O ser humano não pode crescer apenas no plano científico e técnico: precisa também da estética, da ética, da literatura, da filosofia, da música, da história, da geografia, da religião… Mas julgo que o Português e a Matemática são fundamentais.

E é aqui que se coloca a questão do Acordo Ortográfico. Para que serve? Unificar a ortografia? São tantas as excepções que não se vê unificação! E a Inglaterra preocupa-se com a unificação do inglês? E ainda não foi ratificado por Angola e Moçambique. O jornal oficioso Jornal de Angola escreveu mesmo, justificando a sua não aceitação: “não queremos destruir essa preciosidade (a língua portuguesa) que herdámos inteira e sem mácula” e: “se queremos que o português seja uma língua de trabalho na ONU, devemos, antes de mais, respeitar a sua matriz e não pô-la a reboque do difícil comércio das palavras. Há coisas na vida que não podem ser submetidas aos negócios”.

A maior parte dos colunistas bem como a generalidade dos jornais ignoram-no. Não há consenso para a sua aplicação. Graça Moura suspendeu-a no Centro Cultural de Belém (CCB). Nos documentos oficiais da própria CPLP continua a não ser aplicado, passando-se o mesmo com a Academia das Ciências, a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, a Fundação de Serralves, a Casa da Música. Um juiz do Tribunal de Viana proibiu a sua utilização. O secretário de Estado da Cultura admitiu que poderá ainda haver ajustamentos. O filósofo José Gil classificou-o como “néscio e grosseiro”. O eurodeputado Paulo Rangel escreveu: “O gesto no CCB é o início de um movimento, cada dia mais forte, de boicote cívico a uma mudança ortográfica arrogante e inútil.”

Sem querer pormenorizar (o espectáculo é cada vez mais triste, pois já não tem espectadores, mas “espetadores” e os egípcios são cidadãos do “Egito”; quando um aluno escrever “a recessão do texto”, para dizer “a recepção do texto”, como explicar-lhe que não é recessão, se é de recessão que constantemente ouve falar?), considero-o isso mesmo: inútil. Que vantagens trouxe? Assim, em tempos de crise, para quê gastar tanto dinheiro na sua implementação? Afinal, quem lucrou, e muito, com ele?

Mas não é só inútil. Veja-se esta antologia de escrita, colhida em trabalhos académicos: “se vi-se-mos”, “há-dem ver” (mas isto até ministros dizem), “se nos entretermos”, “o homem dasse a conhecer”, “deve-se dizer não há violência”, “há-ja compreensão”, “isso nada tem haver com o real”, “à muito que é assim”, “tratam-se de questões complexas”, “é assim; senão vejamos”; “haviam imensos erros”. Se é assim, sem o Acordo, o que vai ser com a confusão em curso do Acordo? Ele não é, portanto, apenas inútil: é prejudicial.

Anselmo Borges

[Transcrição integral de artigo da autoria do Padre Anselmo Borges publicado no “Diário de Notícias” de hoje, 14.04.12.]
[Nota: os conteúdos publicados na imprensa ou divulgados mediaticamente que de alguma forma digam respeito ao “acordo ortográfico” são, por regra e por inerência, transcritos no site da ILC já que a ela dizem respeito (quando dizem ou se dizem) e são por definição de interesse público (quando são ou se são).]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2012/04/14/o-ao90-inutil-e-prejudicial-anselmo-borges-dn/

2 comentários

  1. «Poderem haver» ministros que dizem «hadem» é verdade, é.
    http://biclaranja.blogs.sapo.pt/628138.html
    Cumpts.

    • A. Meireles Graça on 15 Abril, 2012 at 1:31
    • Responder

    Bem verdade: mais que inútil, prejudicial!
    Enquanto uns ditos economistas trabalhavam árduamente a construção da actual crise económica, outros ditos filólogos e linguístas trabalhavam na sombra a destruição da língua portuguesa. Somos um povo feliz e governado por doutas cabeças. Se somos!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.