Reescrever a História [II]

«Favorecimento?
O artigo favorece a ortografia do Acordo Ortográfico sobre a de Angola. Não deveria antes ser “Objeto e objecto”, em vez de pôr a outra ortografia entre parêntesis como se fosse mais usada? 2.80.11.40 (discussão) 08h33min de 21 de julho de 2011 (UTC)

Explique-se melhor. Como assim o artigo favorece “o Acordo Ortográfico sobre a de Angola”? -Ramissés DC 15h04 min de 21 de julho de 2011 (UTC)» [Wikipedia “lusófona”]

Continuando na senda da denúncia (no sentido de exposição pública) do “PAEC”, ou seja, do processo de aniquilamento em curso, vejamos alguns exemplos que demonstram a forma verdadeiramente assassina como o Português-padrão está a ser apagado da História. Ou, dito de outra forma, ilustremos a gigantesca operação de destruição maciça – com efeitos retroactivos – da Língua Portuguesa não “acordizada”.

Como se vê na imagem de topo e como se lê ali, na reclamação de um angolano, a palavra “objecto” pura e simplesmente desapareceu. A bem dizer, nunca existiu! Se forçarmos a entrada directa no endereço (URL) correspondente àquela entrada com a grafia do Português “europeu” (e africano), podemos ver que somos automaticamente remetidos para o termo equivalente… em “acordês”: “objeto”. Basta experimentar, é só seguir o link http://pt.wikipedia.org/wiki/Objecto.

Porque presumimos ser muito difícil acreditar em que semelhante barbaridade esteja mesmo a acontecer, vamos repetir isto ponto por ponto a ver se a coisa resulta clara para toda a gente:

1. Na Wikipedia “PT” já foi apagado todo o passado. “Nunca” houve PT-PT e PT-BR. Por exemplo, a palavra OBJECTO não apenas foi abolida pelo AO90 como… NUNCA EXISTIU.
2. Para quem tem conta de edição na Wikipedia: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Objeto&action=history (a entrada mais antiga é de 01.06.10).
3. O redireccionamento (de OBJECTO para “objeto”) foi forçado COM EFEITOS RETROACTIVOS a 2005: http://web.archive.org/web/20050422021854/http://pt.wikipedia.org/wiki/Objecto
4. A busca interna por OBJECTO na Web Archive dá ERRO: http://liveweb.archive.org/http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Objecto&redirect=no

Claro que este processo de extermínio linguístico é sistemático, avassalador, por assim dizer industrializado: todas as palavras com a grafia do Acordo Ortográfico de 1945, que vigora ainda legalmente pelo menos em Portugal, Angola e Moçambique, estão a desaparecer na Wikipedia… mas não somente; é claro que os mesmos métodos de extinção em massa estão já a ser utilizados em várias plataformas, sistemas e serviços (virtuais ou não).

Qualquer pessoa pode verificar por si mesma com os exemplos que lhe forem ocorrendo: a palavra “Acto” não existe (nem existiu nunca ou será que existiu alguma vez mas foi exterminada?), “Actuação” desapareceu (agora é “obrigatoriamente” «atuação») e até algo como uma simples “acta” de reunião já não se faz (nem nunca se fez, pois claro), diz que tem de ser “ata” à viva força, ou seja, «um registro ou resenha de fatos ou ocorrências».

Este “apagão” geral (com efeitos retroactivos, repita-se e realce-se de novo) não acontece por mero acaso, evidentemente, e muito menos por necessidade. Faz parte de uma estratégia política, como já sabemos, que consiste num tão velho quanto terrível paradigma: “quem domina o passado domina o futuro; quem domina o presente domina o passado” [George Orwell, “1984”]

No próximo artigo desta série veremos de que forma o “apagão” selectivo não é apenas terminológico (ou ortográfico), é também referencial e de conteúdo.

Nota: as imagens neste “post” são “screenshots” (uma espécie de fotografias do que se vê no ecrã do computador em determinado momento) obtidas na data de publicação deste mesmo “post”; é possível que haja nos respectivos endereços (URL) alterações posteriores efectuadas pela própria Wikipedia.

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2012/03/25/reescrever-a-historia-ii/

8 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Maria Oliveira on 25 Março, 2012 at 18:45
    • Responder

    Muito bem! Há que denunciar o Aparatchik! Coragem!

  1. Não entendo: quem está por detrás do apagão? A wikipédia pode ser manipulada assim sem que os utlizadores que falam Português-padrão não sejam excluídos (não é ela supostamente uma enciclopédia feita pelos utiizadores?) Como é que pessoas singulares podem apagar o PT da Internet?? Se podem, não poderão os falantes do Português-padrão fazer o mesmo e reverter os artigos para Português correcto?

    1. Como pode ver no “post” anterior sobre este assunto (http://ilcao.com/?p=5137), é PROIBIDO na Wipedia “lusófona” reverter a ortografia acordizada para a norma Pt-Pt. A última imagem desse “post” ilustra bem a situação.

      Lendo (e vendo) tanto esse anterior artigo como este (e os que se seguirão na mesma linha) é possível concluir não apenas quem está “por detrás do apagão” como também quem o faz, desde quando, de que forma e, principalmente, porquê.

      Cumprimentos.

  2. Enviar para os jornais, principalmente para o Público – há que divulgar esta pouca-vergonha, ilegal ainda para mais, como VGM bem se fartou de demonstrar!!! Se o malfadado AO90 não é ainda sequer obrigatório, nem foi ratificado por 2 países signatários daquela porcaria, como é que é possível que a internet apague documentos escritos na nossa língua, na nossa ortografia – daqui a nada na nossa sintaxe e vocabulário??? Há esperança, ou não, de reunir assinaturas suficientes para a IL?? Tenho cerca de 12 assinaturas para enviar em breve, falta recolher 3 mais. Custa-me acreditar que isto não pode ser travado de vez, custa-me acreditar que os Portugueses sejam tão pouco seguros da sua língua e cultura para a defenderem tão pouco. É triste nestes momentos habitar na língua e cultura portuguesas…

    • Luís Ferreira on 26 Março, 2012 at 17:39
    • Responder

    E temos de ter muito cuidado de não chamar os bois pelos nomes, não se vá dar o caso, nada inédito, de sermos tratados de xenófobos, racistas, reaccionários, etc, etc.

    Por outras palavras, para não levantar esta lebre, que não nos convém, o melhor é deixar-se perceber nas entrelinhas quem é a “entidade” com bandeira que está a manipular de forma escandalosa a língua portuguesa. Como, e aí é que está o maior problema, há uma enorme ignorância nas pseudo-elites – quem não se lembra de disparates de natureza idêntica a “presidenta” – o estrago causado à nossa língua, mas também de Camões, de Eça, de Pessoa, de Camilo, e tantos outros que a trataram e tratam cheios de carinho por ela, poderá ser irreversível, se não houver resistência e acção capazes de fazer reverter todo este acto estúpido, causado por gente estúpida, sendo os primeiros dos quais os políticos portugueses que iniciaram esta bela “obra” e continuam, de forma ignorante, a permitir que ela cresça.

    Há, neste processo, um fenómeno de obediência óbvia. E se os livreiros e outros se põem a jeito de ganhar milhões, há quem que baixe a cabeça e obedeça vergonhosamente. A quem? Não sei. Imagino, mas isso não serve.

    • Luís Ferreira on 26 Março, 2012 at 17:44
    • Responder

    Deixem-me esticar a corda um pouco mais.

    Há um dado curioso nesta questão. As relações de poder político que se estabelecem na questão do AO – quem manda em quem – ultrapassam muito (ou não???) o Bloco de Esquerda. Se assim é, porque é que o Bloco de Esquerda se coloca como acérrimo defensor desta enormidade? Porque é que se chega tanto à frente? Quem é que me explica?

    • Manuel de Sousa on 27 Março, 2012 at 21:22
    • Responder

    É um absurdo completo insistir na ideia de que a Wikipédia está empenhada em qualquer “operação de destruição maciça” da norma do Acordo Ortográfico de 1945. A Wikipédia não apaga registos de criação ou edição de artigos. Os registos que estão no histórico do artigo são os que, de facto, existem. Não há outros. Lembro que os brasileiros — que, nos dias de hoje, constituem 90% dos editores da Wikipédia — escrevem “objeto” desde, pelo menos, 1943. Não se trata, por isso, de “acordês”!

    1. Isso é mentira II.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.