«Ainda (e sempre) o AO» [Alberto Gonçalves, “DN”]

Quarta-feira, 28 de Fevereiro

– Ainda (e sempre) o AO

O senhor professor doutor (de Coimbra, Deus magnânimo e todo poderoso!) Carlos Reis, uma das sumidades enigmáticas que conspiraram o Acordo Ortográfico, protestou veementemente as recentes declarações do secretário de Estado da Cultura, segundo o qual cada cidadão é livre de seguir ou não as regras do dito Acordo, aliás susceptível a “ajustamentos” até 2015.

Assim de repente, o único ajustamento que me perece adequado seria a anulação de tamanha vergonha. Quanto ao livre-arbítrio, não preciso que o Francisco José Viegas, que de resto muito estimo, me conceda autorização para escrever a língua que aprendi e não a mistela apátrida agora implantada.

Naturalmente, o prof. Reis discorda, quer da liberdade, quer dos ajustamentos. O sábio acha absurdo que se profane o português de “forma unilateral e casuística”, excepto, claro, quando semelhante forma está do lado dele e o português em causa é a desgraça que ele ajudou a criar. Conheço poucos processos tão unilaterais quanto o AO, não só porque alguns dos países envolvidos se recusam a aplicá-lo, mas sobretudo porque se trata de uma invenção de emproados com demasiado tempo livre e de uma imposição política e postiça. Quanto à “casuística”, julgo que a palavra ainda designa o tratamento de um assunto através de subtilezas e artifícios, a definição perfeita dos meandros do AO, uma fraude erguida pelos autores a missão das suas vidas. Há vidas tristes, uma tristeza que deveríamos lamentar mas não expiar.

Alberto Gonçalves

[Transcrição parcial de crónica da autoria de Alberto Gonçalves no jornal “Diário de Notícias de 04.03.12.]

Nota: os conteúdos publicados na imprensa ou divulgados mediaticamente que de alguma forma digam respeito ao “acordo ortográfico” são, por regra e por inerência, transcritos no site da ILC já que a ela dizem respeito e são por definição de interesse público.

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2012/03/04/ainda-e-sempre-o-ao-alberto-goncalves-dn/

4 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Como deixei de ler este pasquim passa-me o que boa gente ainda lá escreve. De parte a parte são os prejuízos indirectos do «coiso». Para crédito do umbigo dessa inominável cavalgadura de Coimbra e bestas afins.
    Cumpts.

    • Graça Varela de Freitas on 5 Março, 2012 at 2:08
    • Responder

    O AO é realmente uma profanação à nossa língua mátria!
    É património histórico-cultural do povo português e não, ùnicamente, do governo, que fez tudo à revelia, sem o mínimo de respeito e consideração (não fez referendo e continua a ignorar as assinaturas de milhares de portugueses) para quem era suposto ele governar…

    • Inspector Jaap on 6 Março, 2012 at 18:26
    • Responder

    Caro Alberto Gonçalves:
    Sabe o que me admira mais? Não é a sua coragem e dignidade imensas em escrever tal artigo em tal “jornal”, razão pela qual tenho todo o prazer em parabenteá-lo, mas, outrossim, o facto de ainda não ter sido despedido por via dele…
    Homens assim devem merecer todo o respeito de quem o tenha também por si próprio.
    Força e continue, apesar de, nem assim, eu equacionar a simples hipótese de vir a ler essa coisa em que escreve.
    Cumpts

    • Inspector Jaap on 6 Março, 2012 at 18:27
    • Responder

    desculpem, mas onde se lê “outrossim”, acima, deverá ler-se “ao invés”

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.