«Correspondência vira-lata com a Academia» [TRB, Brasil]

Enviei há dias a seguinte pergunta aos responsáveis pelo Portal da Língua Portuguesa:

São incontáveis (no sentido de “centenas, talvez milhares”) os casos em que é apresentada como brasileira uma grafia desconhecida no Brasil. Em que fonte se basearam para dizer que “extracto” é português do Brasil?

Os ditos responsáveis tiveram a gentileza de responder da seguinte maneira:

Caro utilizador

Obrigado pela sua mensagem e pelo seu interesse nos nossos recursos.

A nossa fonte para o português brasileiro foi o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Academia Brasileira de Letras, 5.ª ed., que atesta a forma ‘extracto’.

Ao seu dispor, com os melhores cumprimentos, A equipa do Portal da Língua Portuguesa

Enviei-lhes imediatamente a resposta que se segue, na qual, por polidez e cortesia, me abstive de comentar os dois ou três erros de português que conseguiram cometer em tão poucas e pouco úteis palavras.

Caros respondedores,

obrigado pela vossa resposta e obrigado pelo vosso interesse na minha pergunta.

Se a vossa fonte para o português brasileiro foi o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Academia Brasileira de Letras, 5.ª ed., talvez devessem levar em conta o fa(c)to de que o dito vocabulário diz-se “da língua portuguesa” e não “da língua portuguesa brasileira”, e que as moças e os rapazes da Academia Brasileira de Letras são, além de apreciadores de um bom chá na companhia dos seus pares, gente muito polida e cortês que faz questão de registrar todas as formas da língua chamada portuguesa, o que inclui também, talvez para a vossa estupefa(c)ta surpresa, algumas variantes ortográficas do país chamado Portugal..

Contudo, sendo as senhoras e os senhores da Academia Brasileira de Letras e sobretudo os rapazes e as moças que nela servem em funções menos excelsas que o tomar chá com os seus pares gente que, além de polida e cortês, é também falível e incompetente e alheia a questões rasteiras como o rigor e a coerência (o que se atesta com óbvia e cristalina clareza na lambança a que chamaram Acordo Ortográfico), as supramencionadas polidez e cortesia não os levam a extremos tais como o de ter o trabalho de incluir de fa(c)to todas as variantes utilizadas em Portugal, nem de – deusnoslivre! – remover do dito Vocabulário Ortográfico todas as formas registradas no vocabulário original de 1943, época em que o Brasil, vítima quiçá do irreprimível complexo de vira-lata que até hoje grassa nas suas (mal) chamadas elites, considerava elegante e culto grafar palavras de modo não imediatamente compreensível para o falante brasileiro comum.

Esta combinação desafortunada de polidez, preguiça, cortesia, incompetência e vira-latice resulta em um vocabulário cuja falta de rigor deveria ser uma ululante evidência para qualquer pessoa minimamente versada – no sentido de oficialmente alfabetizada – nos meandros da nossa ortografia (agora) comum, tornando-o inútil para um portal que se quer um “apoio a quem trabalha com a língua portuguesa”. Todavia, acaso contaminados pelo descaso dos seus cong(ê/é)neres brasileiros, os responsáveis pelo Portal da Língua Portuguesa preferem a via fácil da ado(p)ção acrítica de uma lista cujos autores nunca se deram o trabalho de conferir os usos correntes do idioma que pretendem inventariar, produzindo um corpus cuja utilidade para quem trabalha com a língua portuguesa tende a zero.

Ao seu dispor, com os melhores cumprimentos deste vosso humilde utilizador,

Tomás Rosa Bueno | Tradutor | Bariloche, Argentina

[Transcrição integral, autorizada pelo autor, de post publicado hoje, 20 de Julho, no blog Postanterous.]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2011/07/20/correspondencia-vira-lata-com-a-academia-trb/

3 comentários

    • Alexandre on 20 Julho, 2011 at 16:45
    • Responder

    Absolutamente brilhante.

    • Maria Mendes on 20 Julho, 2011 at 17:11
    • Responder

    É importante frisar que o Portal da Língua Portuguesa é tipicamente português e não brasileiro e tem como apoiadores a Agência Lusa e a Porto Editora.

    http://www.portaldalinguaportuguesa.org/index.php?action=admin

    Aliás, a Porto Editora tem uma opinião sobre o AO90:

    http://www.portoeditora.pt/acordo-ortografico/sobre

    Cumpts

  1. Ah! Ah! Ah!
    Grande Tomás Rosa Bueno. Quando passar por Lisboa deixe-me pagar-lhe um copo.
    Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah!Ah! Ah! Ah! Ah! Ah!Ah! Ah! Ah! Ah! Ah!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.