Miguel Tiago no “5 para a 1/2 noite” [RTP, 12.04.14]

Extracto do programa “5 para a 1/2 noite”, emitido em 12.04.14 (cerca das 00:30) pelo canal 1 da RTP, com a intervenção do deputado Miguel Tiago sobre o “acordo ortográfico”.

[“Clip” de vídeo extraído da gravação disponibilizada pela RTP.]

“Pode ser um novo acordo que satisfaça todos”, diz Miguel Tiago a certa altura. Sim, estamos de acordo se esse novo acordo for este e só este: “Um Acordo Ortográfico, sim! (só falta assinar)

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2014/04/12/miguel-tiago-no-5-para-a-12-noite-rtp-12-04-14/

1 comentário

    • Luís Ferreira on 12 Abril, 2014 at 21:34
    • Responder

    Há duas causas que me fazem correr, nos tempos que correm: a sobrevivência do Instituto de Odivelas, instituição centenária, que tantas provas tem dado de competência e de extrema qualidade, que os vários governos e, por fim o actual Sr. Ministro da Defesa, porque sim, querem destruir, e a sobrevivência da Língua Portuguesa, que os vários governos e, por fim, o Sr. Primeiro Ministro, porque sim, querem destruir.

    O que me está a parecer mais estranho, no meio de tanta, incoerência, falsidade e traição à Pátria, é ser exactamente o Partido Comunista Português que, apesar de forma tímida, quem mais faz na preservação destes valores patrimoniais de Portugal. O que me faz pensar – e estive longe de pensar tal coisa, no passado – que o actual PCP está mais interessado na preservação do que é histórica e culturalmente relevante para Portugal, do que os outros partidos que aparentam ter vendido a alma ao Diabo, e fazem algo semelhante às razias muçulmanas (ataques rápidos que se faziam, destinados à pilhagem e aterrorizar as populações do norte da Península Ibérica) ao bem de todos, ao património comum, por negócios e tráfego de influências que, sendo inconfessáveis, nunca hão-de aparecer à luz do dia.

    Estou-lhes agradecido pelo que têm feito e por não terem perdido o norte relativamente ao que é importante e por estarem atentos à venda do nosso património a interesses que nada têm a ver com o interesse nacional, logo, do povo, em última análise.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.