“Por favor, acabem com a tal da reforma ortográfica” [Álvaro Alves de Faria, YouTube]

Diz o poeta e jornalista Álvaro Alves de Faria.

[youtube vO70hqAI7j8]
 

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2012/09/22/por-favor-acabem-com-a-tal-da-reforma-ortografica-alvaro-alves-de-faria/

5 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Maria Miguel on 23 Setembro, 2012 at 10:58
    • Responder

    O meu querido poeta e jornalista, em pouco mais de cinco minutos,
    diz tudo! É conciso e directo. O seu discurso é Magistral.
    Bem haja!

    • Tomaz ramos de deus on 23 Setembro, 2012 at 11:36
    • Responder

    Não!
    Deixem a nossa lingua em paz.
    Tomás

    • Jorge Teixeira on 23 Setembro, 2012 at 23:27
    • Responder

    É bom ver que também no Brasil se entende a monstruosidade do AO90. Um depoimento brilhante.

  1. Atento à dicção (cuidada) de Álvaro de Faria, noto que ele pronuncia a-dô-ção e não a-dò-ção. Não sendo o génio da pronúncia dos do Brasil pròpriamente o dos portugueses, o fechamento das vogais átonas dá-se por lá, todavia. E se no português brasileiro um «ó» átono como o de «adopção» se fecha em «ô», fácil é de ver o que lhe rapidamente sucederá connosco decepando-lhe a consoante etimológica.
    A-du-ção.
    Não esqueçamos que já em documentos medievais aparece escrito «Purtugal»…
    Cumpts.

    • Jorge Teixeira on 26 Setembro, 2012 at 14:58
    • Responder

    “ele pronuncia a-dô-ção e não a-dò-ção.”

    Claro. O código de escrita do português é ler tal como se escreve. Se está escrito “adoção” lê-se a-do-ção. Se está escrito “ator” lê-se “a-tor”. Se está escrito “arvore” lê-se “ar-vo-re”. Se está escrito “árvore” lê-se “ár-vo-re”. Se se quer ler a-dó-ção tem de se sinalizar isto. Como as línguas não nasceram ontem e a nossa descende do latim escreve-se “adopção”. [E com as línguas têm muitos sotaques até há muita gente que pronuncia o “p”, os acordistas devem defender que sejam fuziladas provavelmente.] Se está escrito “actor” lê-se á[c aspirado]-tor. Esta é uma particularidade nas ditas “consoantes mudas”. É que a bem dizer os “c” mudos não são mudos. São “c aspirado”, assim como os “h” não são mudos, são “h aspirado”. Mas para estes indigentes acordistas o “c” não se lê. Pergunto-me onde estudaram para dizer barbaridades destas.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.