Alô, «presidenta»!

Click para ampliar

click para ampliar

Imagem de página da revista TV 7 Dias.
Excerto do vídeo de publicado em http://videos.sapo.pt/5oiC1TNCija06PAbFEuo.

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2011/05/11/alo-presidenta/

6 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Corolário: «toilete» (toalete no Brasil) é casa de banho.
    Cumpts.

    • Manuela Carneiro on 11 Maio, 2011 at 17:39
    • Responder

    Tudo muito estranho…

  2. A forma como eles ambos brincam com a língua (deles, não a nossa) é quase comovente, pela ternurenta indigência.

  3. Caros amigos,

    é verdade, toalete no Brasil é banheiro, a nossa casa de banho. Faltou entrarem no pormenor das explicações do que era toilette/toalete, talvez por a Srª. Presidente não se ter apercebido dessa expressão, ou talvez para não incorrerem no risco de se perderem em explicações atrás de explicações acerca dos significados afastando-se do objectivo da entrevista!
    Aliás são tantas as expressões com significados distintos que se usam em ambos os países que por vezes a comunicação oral se torna num “o que é que quis dizer com isso?” Parece-me que só o nome da língua é que é o mesmo, mas a língua propriamente dita é diferente.
    Embora fora do contexto da entrevista, acrescento que no Brasil pagar propina dá direito a prisão, pois é suborno; já em Portugal os alunos pagam propinas sem estarem fora da lei.
    Como os brasileiros não ouvem canções ou programas portugueses têm mais dificuldade, que os portugueses, em entender palavras ou expressões peculiares usadas no outro país.
    O actor Ricardo Pereira tem sucesso nas novelas brasileiras porque já se dedicou a perder o sotaque luso (como ele afirmou) através de aulas de “fonoaudiologia”, nós diríamos aulas de foniatria.
    Se para nos entendermos é necessária toda esta “ginástica” como será que alguém consegue acreditar que o AO90 vem unificar alguma coisa!

    Abraço
    João

    • Maria D'Alva on 22 Julho, 2011 at 22:12
    • Responder

    A grande verdade é que a maioria dos brasileiros não está acostumada a ouvir o sotaque português. Isso se dá, por que eles não dão a mínima importância a Portugal. Podes morar durante anos no Brasil e nada verás na TV brasileira sobre Portugal. É possível ver milhares de brasileiros envolvidos em festas como a “Oktoberfest” que homenageia a cultura germânica ou até mesmo festas holandesas e finlandesas. Portanto, para os brasileiros aquilo que os portugueses pensam sobre eles, não importa. Portugal é um país sem importância nenhuma. Até mesmo porque menos da metade dos brasileiros tem ascendência portuguesa. Quando se vê essa falácia do AO90 parece que os portugueses estão mendigando a atenção brasileira.
    É ridículo….
    Cumpts

    http://maringa.odiario.com/parana/noticia/401311/carambei-promove-festa-do-centenario-da-imigracao-holandesa/

    http://www.penedo.com/index.php?option=com_content&task=view&id=64&Itemid=231

    http://www.oktoberfestblumenau.com.br/

    • Maria da Luz on 8 Setembro, 2011 at 1:37
    • Responder

    Ao ver o substantivo presidentA entre aspas fui induzida a pensar nele como um erro! No entanto, verifiquei que isso não passa de um preconceito. Assim como a palavra juiz era sempre masculina porque jamais se permitiria que uma mulher ocupasse tamanho espaço, o mesmo com advogado, deputado… Todos tiveram de aceitar juizAs, advogadAs, deputadAs…Por que não presidentA?

    Decidi fazer uma pesquisa e descobri que tal verbete não é tão novo assim e que também não é uma invenção simplesmente brasileira. Na maioria dos diccionários e nomeadamente nas principais obras de referência da lexicografia portuguesa e brasileira, como o Vocabulário da Língua Portuguesa de Rebelo Gonçalves (1966) ou o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Academia Brasileira de Letras (5.ª edição, 2009). Não sabemos ao certo desde quando é que este registo lexicográfico é feito, mas a palavra constava já do Novo Dicionário da Língua Portuguesa de Cândido de Figueiredo (1913) ou do Vocabulário Ortográfico e Remissivo da Língua Portuguesa de Gonçalves Viana (1914).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.