Língua moribunda [crónica de Alberto Gonçalves]

Terça-feira, 18 de Janeiro
Língua moribunda
Vejo um programa da RTP transmitido em “direto” e sinto um arrepio por altura das vértebras cervicais. Não graças ao programa, de que nem me lembro, mas graças ao “direto”: pois é, o Acordo Ortográfico já contaminou a televisão do Estado. Em breve, ameaça contaminar tudo. E o resultado é ainda pior do que se podia imaginar.
Segundo as sumidades que o conceberam, o Acordo Ortográfico serve, cito, para “aumentar o prestígio da língua portuguesa”. Não sei bem em que consiste o “prestígio” de uma língua. Talvez estes defensores do português não o dominem devidamente e pretendam referir-se à sua importância, influência e disseminação. Se é isso, é fácil. Basta que um, ou preferencialmente mais do que um, dos países “lusófonos” possua uma literatura canónica, universidades invejáveis, centros científicos de primeira linha, tecnologia indispensável e universal, capacidade industrial, pujança comercial, peso político e, se não for maçada, uma cultura popular omnipresente através da música, do cinema e do que calha. Basta, enfim, que um dos países “lusófonos” seja a América. Ou, se formos modestos, a França ou a Espanha.
Na impossibilidade de se alcançar tais ninharias, é garantido que o “prestígio” da língua de Camões e de Jorge Jesus não se obtém mediante brincadeiras imberbes em volta dos “c”, “p” e hífenes. O que se obtém é uma mistela concebida em laboratório, tão desagradável para quem a escreve como para quem a lê. Desagradável e ineficaz.
Daqui em diante, será complicado presumir que um funcionário até agora diligente obedeça ao “diretor”. Ou acreditar nas dioptrias recomendadas pela “ótica”. Ou esperar que as senhoras “deem” o devido valor a uma “joia”. Isto em teoria, claro.
Na prática, os hábitos da contemporaneidade e a tortura infligida durante décadas ao sistema educativo levam a que uma impressionante quantidade de portugueses (e, suponho, de brasileiros, angolanos, etc.) desconheça suficientemente o português pré- -Acordo para conseguir adoptar o português do Acordo. O que se constata por aí, na rua, na imprensa, nos livros, na internet, nas televisões, nas SMS e no Parlamento, em “direto” ou diferido, não é uma língua candidata ao prestígio internacional, mas uma coisa a caminhar para a extinção nacional. Quase um dialecto, que dispensava a acrescida humilhação do “dialeto”.

[Transcrição integral de texto da autoria de Alberto Gonçalves, publicado no Diário de Notícias de 23.01.11, na rubrica de crónicas “Dias Contados”.]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2011/01/23/lingua-moribunda-cronica-de-alberto-goncalves/

5 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Pedro Siqueira on 11 Abril, 2011 at 2:40
    • Responder

    Camões… Camões! Sempre Camões! Se o mesmo voltasse a viver agora não reconheceria a própria língua. Independentemente de ser escrita na atual ortografia que já está a ser ensinada internacionalmente pelo Instituto Camões ou pela anterior.

    (http://cvc.instituto-camoes.pt/a-nova-norma-ortografica-da-lingua-portuguesa.html)

    Cumprimentos

  1. Não percebi nada.

    Cumprimentos.

  2. O Instituto Camões há tempo que deu em mutilar o português. Já o sabia. Devia mudar de nome para Instituto Kamões.
    Cumpts.

    • Pedro Siqueira on 17 Abril, 2011 at 3:17
    • Responder

    Na realidade a Nova Ortografia já foi aprovada pelos poderes legislativos de Portugal e Brasil e está a ser implementada nesses países. Para além disso, está a ser ensinada e difundida internacionalmente tanto pelo Instituto Camões como pelo Observatório da Língua Portuguesa. Não podemos esquecer que não só a Academia das Ciências de Lisboa e a Academia Brasileira de Letras estão a divulgar e promover cursos de atualização para a nova ortografia como também as Universidades do Minho e dos Açores e muitas outras. A partir do próximo ano letivo todas as escolas portuguesas e universidades já terão colocado em prática a ortografia vigente.

    O que era temido, passou a ser uma realidade…

    Cumpts.

    Fontes relevantes:
    http://observatorio-lp.sapo.pt/pt/noticias/escolas-aplicam-acordo-ortografico-no-inicio-do-proximo-ano-lectivo

    http://observatorio-lp.sapo.pt/pt/noticias/priberam-dinamiza-a-aplicacao-do-acordo-ortografico-em-todo-mundo

    http://observatorio-lp.sapo.pt/pt/noticias/acordoportugal

    http://observatorio-lp.sapo.pt/pt/noticias/portugal-e-brasil-devem-convergir-na-promocao-do-idioma

    1. Sim, passou a ser uma realidade a ditadura da ignomínia que é o AO90. Porém, como qualquer outra ditadura que apesar de temida se torna realidade também esta será aniquilada pela História. É tudo uma questão de tempo e de vontade das pessoas de bem.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.