Já se pode assinar a ILC contra o AO

Segundo informação dos “Serviços de Apoio Técnico e Secretariado” da Assembleia da República, uma ILC apenas pode ser subscrita de forma tradicional, isto é, em papel.

Assim sendo, as assinaturas da nossa ILC serão recolhidas de maneira extremamente simples.

Faça “download” para o seu computador do impresso de subscrição, preencha-o conforme as instruções nele indicadas e envie-o por correio normal para o endereço

Apartado 53
2776-901 Carcavelos


Se quiser colaborar ainda mais activamente com esta Causa, pode também fazer “download” do impresso para preenchimento manual, fotocopiá-lo e distribuí-lo.

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2010/04/08/ja-se-pode-assinar-a-ilc-contra-o-ao/

10 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Alexandra Alves on 9 Abril, 2010 at 8:05
    • Responder

    Ao ler o impresso de subscrição, deparei-me com o seguinte lapso: “…declaro, por minha honra e nos termos da lei, ter lido e SUBSCREVER na íntegra o texto…”. Não se deveria utilizar o particípio passado?

  1. Tecnicamente, em termos gramaticais e mesmo no que diz respeito a inteligibilidade, a construção frásica que refere está correcta, na minha opinião. Porém, e atendendo a que a sua sugestão colhe, de um ponto de vista (quiçá) de maior facilidade de leitura, acabo de alterar esse trecho para «(…) declaro, por minha honra e nos termos da lei, que li e subscrevo na íntegra o texto (…)».
    Muito obrigado pela sua colaboração.
    Cumprimentos.

  2. Após ler a sua resposta compreendi o sentido que quis dar à frase. Seria como dizer “declaro ter lido e declaro subscrever”. Ainda assim, creio que das três opções a actual é, sem dúvida a mais correcta, já que a subscrição é feita no tempo presente. De qualquer forma, agradeço a atenção que deu ao meu comentário. Louvo a sua iniciativa e espero sinceramente que a mesma venha a ter algum resultado prático, pois as razões que supostamente justificam o novo acordo ortográfico não têm de facto nenhuma razão de ser.

  3. Bom dia,

    Sugeria que o documento manual, fosse posto também, ou só em exclusivo, em formato pdf.

  4. Caro Nuno Guerreiro,

    A sua sugestão é mais do que acertada; já foi acrescentado o impresso em PDF e veremos, com o tempo, se será de realmente apagar o impresso em formato “doc”. Não faz lá muito sentido manter os dois, é verdade, mas enfim, como já há muitos links (e para não ter de editar a página de erro 404 ou de mexer em redireccionamentos), sempre se evitam alguns “bad requests” ou “dead links”.

    Muito obrigado pela sua colaboração.

  5. “Mais declaro ser esta a única vez em que subscrevo a referida Iniciativa Legislativa, não o tendo feito antes por qualquer outro meio.”

    Quer isto dizer que quem assinou a petição electrónica já não pode assinar a ILC?

    1. @Bruno Horta,

      É claro que uma coisa não tem rigorosamente nada a ver com a outra. De onde lhe poderá ter vindo a confusão entre a petição que refere e a nossa ILC?

  6. É a segunda vez que apoio ILC contra o AO.
    Dispenso-me de repetir os argumentos que fundamentam a minha posição.

  7. Acabei de imprimir e assinar o dito impresso. Senti-me feliz por estar a tentar fazer alguma coisa nesta luta pela Língua Portuguesa. Espero, sinceramente e com todas as minhas forças, que isto resulte. A nossa Língua é a nossa identidade! Se querem modificar aquilo que nos caracteriza, não deveriam fazê-lo sem consultar o principal afectado por essa mesma alteração: o POVO PORTUGUÊS!

    Para mais, não pude deixar de reparar que neste suposto “Acordo” Ortográfico, a vertente brasileira quase que se introduz na vertente portuguesa como um parasita que rouba o que de mais essencial um corpo tem: as suas defesas. O nosso “corpo linguístico” vê-se praticamente submerso e ofuscado pela norma brasileira, o que, a meu ver, é simplesmente inadmissível.

    Vamos travar este ultraje e provar que não nos podem tirar a nossa identidade!

  8. Partilho a sensação de felicidade da Tânia Ferreira. Quando fui ao correio enviar o meu impresso, era como se levasse um tesouro nas mãos. Isto não é uma luta… É uma exigência (no sentido de necessidade imperiosa) de defender o que de mais sagrado tem um povo: a língua pela qual expressa toda a sua forma de sentir e pensar!

  1. […] de entre diversos outros –, tal como convém aos actos prosseguidos com esforço e abnegação, estão a ser recolhidas desde o dia 8 deste mês de Abril de 2010 as 35 mil assinaturas necessárias para que possa ser apresentado na Assembleia da […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.