Abr 26 2013

É a “adoção” por “entendimento geral”, estúpido!

blue-l

É uma discussão intensa há já algum tempo no seio da equipa de tradução portuguesa do WordPress, adotar ou não o Acordo Ortográfico para a Língua Portuguesa (AO90). Dessa discussão destacam-se dois consensos alargados: a oposição quase unânime ao AO90 e uma enorme resistência em aplicá-lo ao WordPress pt-PT.

Todavia, houve um entendimento geral de que se deveria avançar para a adoção do AO90; apesar de toda a discussão sobre a sua aplicação, o AO90 está em vigor e existem instruções para que as instituições públicas o apliquem. Além disso, há já muitas outras entidades privadas que o estão a fazer, criando uma necessidade de que a plataforma acompanhe o uso que lhe é dado (e exigido).

[De “WordPress Portugal“, transcrição parcial de um “post” com o (curioso) título “WordPress em português: pré ou pós-AO90?“]

Muitas pessoas nos perguntam (e ainda mais pessoas se perguntam a si mesmas) o que diabo pode levar alguém a “adotar” o AO90. Pois bem, a transcrição acima esclarece espectacularmente o insondável mistério: há quem “adote” porque sim e há quem “adote” porque também.

Existe uma “oposição quase unânime ao AO90” mas não faz mal, “adota-se” na mesma.

Há “uma enorme resistência em aplicá-lo” mas pronto, assim como assim, aplica-se de qualquer forma.

Mas porquê, perguntarão de novo alguns, mais incrédulos ou renitentes, mas porquê, afinal? Se a oposição é “quase unânime” e se há “uma enorme resistência”, então como é possível alguém dizer que mesmo assim “houve um entendimento geral de que se deveria avançar para a adoção”?

“Entendimento geral” de quem? “Entendimento geral” da minoria irrisória que não se opõe ao “acordo”? “Entendimento geral” de meia dúzia?

O que significa, afinal, “entendimento”? E o que virá a ser então, no fim de contas, este estranhíssimo conceito de “geral”?

Ficamos na mesma, sem perceber nada de nada, é porque é e pronto, não se fala mais nisso?

Pois, exactamente. É assim e acabou-se. As perguntas contêm em si mesmas as respostas. Ou seja, não há respostas nenhumas. Eis o acordismo em todo o seu “esplendor”.

Portanto, estando as respostas dadas e sendo elas estas, é favor pararem de nos fazer perguntas, obrigado, e podem também os mais incrédulos parar de se interrogar a si mesmos, isto não tem nada que saber, sejam bem vindos ao mui restrito clube do “entendimento geral”.

[Por uma questão de preservação da sanidade mental (própria e alheia) reserva-se o autor deste “post” o privilégio de não se referir sequer aos restantes “argumentos” do (pelos vistos) patrão da “WordPress Portugal”.]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2013/04/26/e-a-adocao-por-entendimento-geral-estupido/

11 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Maria Oliveira on 26 Abril, 2013 at 16:57
    • Responder

    Cambada de carneiros! Por isso, isto do AO90 e o país chegaram ao que chegaram! Estes cidadãos merecem tudo o que de mau está a acontecer a este proto-país de nabos! Cretinos, escroques, abúlicos, é “do que a casa gasta”… E ainda se fala de um novo 25/4, quando isto só lá vai é a tiro!

    • Maria Miguel on 26 Abril, 2013 at 19:51
    • Responder

    Mais um testemunho anedótico
    do estado a que está a mergulhar uma parte da Alma Lusa. Bom registo para constar em dossier específico!

    A iliteracia e o insucesso na disciplina de Português jamais se curariam com negócios, mesmo que fossem gratuitos, em volta de cortes de palavras…

    O que seria útil seria estimular a aprendizagem de significados. A conversa da WordPress revela isso mesmo: desconhecimento dos significados dos vocábulos primários utilizados.

    O grave é que a nossa Língua se transformou numa galinha de ovos de ouro para acordistas e companhia.

    Toda a verba que escorre, abundantemente, dos médios contribuintes, para estes projectos desastrosos para Portugal, dariam para construir muitas escolas e cantinas e pagar a centenas de professores desempregados.

    Mas se o acordo foi mais uma incongruência parlamentar, então é ilegal!

    • Gonçalo P. on 27 Abril, 2013 at 15:28
    • Responder

    Cada vez mais, o nosso país se assemelha ao filme “Idiocracy”… somos um país de idiotas onde os centros de decisão são controlados por idiotas…

    Até agora, não conheci ninguém 100% a favor do acordo ortográfico… contudo, ele está em todo o lado…

    Ninguém percebe a regra do “pára”/para, mas toda a gente aplica-a, e quem não aplicar é um velho do Restelo, um reaccionário, enfim… adjectivos e mais adjectivos…

    Com o Acordo Ortográfico, abriu-se a caixa de Pandora… “egícios”, “convitos”, “fatos”, “contatos”… mas ninguém a quer fechar ou sequer falar dela…

    Para o Nuno Crato dizer que a Língua é um assunto do Ministério dos Negócios Estrangeiros… é para ver a onde chegamos…

    Isso e o Pinto Ribeiro (ex-ministro da Cultura), ameaçar suspender a subvenção à Academia de Ciências de Lisboa em caso de oposição ao acordo é impressionante…

    País miserável… tem agora uma língua à altura…

    • Maria José Abranches on 27 Abril, 2013 at 16:09
    • Responder

    A mentalidade portuguesa no seu melhor! Espírito crítico, argumentação informada e válida, clareza e coerência linguísticas: “chinesices” descabidas e inúteis!

    «Em princípio, todo o português que sabe ler e escrever se acha apto para tudo, e o que é mais espantoso é que ninguém se espante com isso. (…) o hábito da irresponsabilidade e o culto espontâneo do narcisismo, como tais glorificados, não encontram no juízo público a sanção que seria normal, mas o aplauso vertiginoso.»

    (Eduardo Lourenço, “O Labirinto da Saudade”)

  1. Mais um disparate a somar à conta. Rilhafoles fechou e a demência espalhou-se para aí.

    • Jorge Teixeira on 27 Abril, 2013 at 22:09
    • Responder

    É bem o espelho do estado geral das “organizações” de portugueses. Propõe-se algo com que ninguém concorda. Vem um “chefe” e diz que sim. Todos os outros se dobram.

  2. Português de Latrina: “Todavia, houve um entendimento geral de que se deveria avançar para a adoção do AO90; apesar de toda a discussão sobre a sua aplicação, o português de latrina está em vigor e existem instruções para que as instituições públicas o apliquem”.

  3. Quem diria que “quase unanimidade” é o oposto de “entendimento geral”? Já vale tudo à luz do “açordo ortográfico”.

  4. Enfim, não gosto mas como à mesma de boa vontade. É isto, Portugal. Que tristeza.

    • Viana do C.lo. on 29 Abril, 2013 at 22:32
    • Responder

    É preciso têr muito pouco caráter para escreverem adoção sem o caráter p.
    …para nao falar do afeto – que se libertou da conotação geral (afecto por alguém) para se agarrar ao porco e à afetose.
    Ou o ato, palavra que indicava responsabilidade, agora anda a roçar os passeios, se esquecer-mos de os atar. (Já nem sei se leva traço ou como se chamava o traço).
    Quanto ao detetive, personagem misteriosa e profunda, omnipresente em qualquer policial, agora é o responsável por detetar… quiçá algo nas tetas das vacas. Algo down.

    Um baixo nível deprimente. Correto. Correto, palavra originária da Columbofilia, ou quase: vem das rolas.
    Efetivamente: uma palavra nova, que não representa absolutamente nada…
    Ou remoinho – à que deitar abaixo uma das mais antigas palavras portuguêsas (redemoínho).
    hiperatividade: algo que ao lêr provoca sono.
    Contato: palavra que por pouco ficava contaco. De bilhar.
    refletor: lê-se reflÉtor, amigos e amigas… pois é, pois é… chama-se a isto
    tudo, sem objeção:
    O FIM DA LÍNGUA PORTUGUESA.

    Se o vosso objectivo era esse: conseguiram!
    Está uma retrete que nem se vê o fundo.

    E não tem piada nenhuma. Toca a limpar antes que agarre demais e se torne côdia.

  5. Não há muito a dizer.

    É a cobardia portuguesa, uma característica que se observa a todos os níveis. Não se nos mete também pelos olhos como todos se choram e reclama dos governos, sem tomarem as únicas medidas que se impõem? Esperam que «alguém» resolva os seus problemas. Os políticos, «é para isso que os elegemos».

    Nada mais a acrescentar

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.