«Calor e mar bravo» [MEC, Público]

Calor e mar bravo
Por Miguel Esteves Cardoso

Muitas coisas pedimos ao Verão e a Agosto, que o Acordo Ortográfico (AO) já despromoveu para verão e agosto. Para tomarmos banho, exigimos calor, sol e mar manso. É uma coincidência muito rara e uma desculpa muito boa para ficar na esplanada, a beber Água das Pedras ou, se calhar, na volta, água das pedras.Foto-reportagem passa a ser fotorreportagem (com um érre a mais, que não pertence nem a “fotor” nem a “rreportagem”) e mini-saia exige, pela perda do hífen, um ésse a mais: minissaia. Que artigo de vestuário é que é mini? É a “ssaia”, pois claro. Embora defenda o hífen, não sou totalmente sectário. Escrevemos “hás-de” e o AO manda, com razão, esquecer o hífen. “Hás de” é mais bem grafado do que “hás-de” e, na volta, é capaz de remover o incentivo analfabeto para dizer “há-des”.Mesmo assim, apesar de menos de uma mão-cheia de mudanças que fazem sentido, o AO é um acto de genocídio cultural, estético, racional e político.

O AO é como querermos unir, à força, os verões e os climas brasileiros, portugueses e cabo-verdianos, procurando semelhanças superficiais e despromovendo diferenças profundas, só para chegarmos à conclusão que todos sentimos frio e calor e que todos somos molhados pela chuva.Por muito que acreditemos no contrário, os nossos tempos, como as nossas línguas – e as maneiras como as escrevemos graficamente – são parecidos de mais para fingirmos que somos diferentes. Mergulhamos no conhecido e aprendemos como deve ser.

[Transcrição integral de crónica da autoria de Miguel Esteves Cardoso publicada no jornal Público de 12.08.11 (link disponível apenas para assinantes)]

Print Friendly, PDF & Email
Share

Link permanente para este artigo: https://ilcao.com/2011/08/12/calor-e-mar-bravo-mec-publico/

1 comentário

    • Paulo Ângelo Nóbrega on 17 Agosto, 2011 at 2:41
    • Responder

    Acordo ortográfico será bom para burros despreparados que não tiveram tempo de ir à escola. Trocar algo correto pela vergonha acadêmica é e sempre será o fator principal dos mal amados.
    P’Ângelo

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.